Política

Jair Bolsonaro diz que vai trabalhar por videoconferência

Presidente despachará do escritório e fará reuniões virtuais com ministros; após testar positivo para covid-19, diz que está na ‘terceira dose’ do remédio, mesmo sem eficácia comprovada.

Por  Estadão Conteúdo
- atualizado

Após testar positivo para covid-19, o presidente Jair Bolsonaro trocou as reuniões presenciais por videoconferência com ministros e outras autoridades. Pelos próximos dias, o presidente vai trabalhar do escritório no Palácio da Alvorada, enquanto já indica que fará de si mesmo uma espécie de “garoto-propaganda” da hidroxicloroquina.

Dos 3,4 mil servidores da Presidência da República, 108 (o equivalente a 3,8%) testaram positivo para a covid-19 até o dia 3 de julho, segundo a Secretaria-Geral. Ao anunciar nesta terça-feira, 7, que estava contaminado, o presidente disse que esperava ficar fora “por uma semana”. Ele também manifestou a vontade de fazer caminhadas, mas observou que, por recomendação médica, não o faria. À tarde, Bolsonaro publicou um vídeo em seu escritório mostrando que estava tomando a terceira dose da hidroxicloroquina.

“Estou tomando a terceira dose da hidroxicloroquina. Estou me sentindo muito bem. Estava mais ou menos no domingo, mal na segunda-feira. Hoje, terça, estou muito melhor do que sábado. É com toda certeza, está dando certo”, disse, antes de engolir o comprimido.

Desde o início da pandemia, Bolsonaro tem defendido o uso da cloroquina desde os primeiros sintomas, mesmo sem a eficácia comprovada e riscos ainda sendo estudados. “Sabemos que hoje em dia existem outros remédios que podem ajudar a combater o coronavírus. Sabemos que nenhum tem eficácia cientificamente comprovada, mas é mais uma pessoa que está dando certo. Então, eu confio na hidroxicloroquina. E você? Valeu, ‘tamo junto’”, disse.

Logo após o anúncio do resultado dos exames, o Planalto comunicou que a agenda com os ministros Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e com Jorge Oliveira (Secretaria-Geral) ocorreriam virtualmente.

De acordo com a Secretaria-Geral, no novo procedimento, o ministro Jorge Oliveira envia as propostas de atos normativos ou outras pautas ao presidente por e-mail. Em seguida, os dois despacharam por vídeo e, por fim, os atos são assinados digitalmente, sem contato pessoal.

Nos últimos dias, o presidente teve contato com mais de 50 autoridades e, na segunda-feira, já com os sintomas da doença, seguiu trabalhando no gabinete no Planalto. Apesar disso, a rotina na sede do Executivo seguirá normalmente.

Em um comunicado, a Secretaria-Geral informou que não existe protocolo médico, seja do Ministério da Saúde ou da Organização Mundial de Saúde, que recomende medida de isolamento pelo simples contato com casos positivos. “A orientação que damos aos servidores é procurar assistência médica quando apresentarem sintomas relacionados à covid-19, para avaliar necessidade de testagem. Nos casos considerados suspeitos, os servidores são orientados a ficar em casa até o resultado do exame”, informou o ministério.

De acordo com a pasta, do total de 108 servidores infectados pela covid-19, 77 já se recuperaram e 31 casos seguem em acompanhamento. “Não houve mortes e mais de 90% desses casos foram assintomáticos ou apresentaram apenas sintomas leves”, informou o governo.

O governo informou ainda que segue todas as medidas recomendadas para que o ambiente do trabalho na Presidência da República “seja o mais seguro possível” para todos os servidores. Destacou que pessoas do grupo de risco estão trabalhando remotamente e há rodízio de funcionários nos gabinetes para diminuir a aglomeração.

A Secretaria-Geral comunicou também que divulga amplamente orientações como higienização das mãos (há 494 unidades com embalagens de álcool em gel na sede e nos anexos do Planalto), uso correto de máscaras e distanciamento social. No entanto, em diversas eventos, é possível verificar servidores e autoridades sem as medidas de prevenção.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

"Eu confio na hidroxicloroquina", diz Bolsonaro em vídeo

Após diagnóstico de Bolsonaro, Guedes também fará teste da covid-19

Covid-19: Bolsonaro diz que já iniciou tratamento com hidroxicloroquina

Presidente Jair Bolsonaro é diagnosticado com covid-19