Teresina - PI

Jelta Veículos é condenada pela Justiça por vender carro novo com defeito

A sentença foi prolatada no dia 24 de junho e cabe recurso ao Tribunal de Justiça do Piauí.

Gil Sobreira
Teresina
- atualizado

O juiz Anderson Brito da Mata, da Comarca de Cristino Castro, condenou a Jelta Veículos em ação de cumprimento de obrigação de fazer e ressarcimento de danos morais e materiais ajuizada por Iolanda de Sousa Brito Gomes. A revendedora foi condenada a substituir o motor do veículo da autora, Fiat Uno/Way 2014/2015, e a indenização por danos morais no valor de R$ 15.000,00 (quinze mil reais), corrigidos e com juros de mora a partir da data da sentença.

Segundo a ação, Iolanda adquiriu o veículo que apresentou defeito oculto e grave no motor (pressão baixa do óleo), não tendo a Jelta tomado as providências necessárias para sanar a falha no prazo de 30 (trinta) dias, nem rebocado o carro, tampouco cedido veículo reserva e nem ofertado passagens e hospedagem para a cliente, como lhe foi garantido no ato da compra. Tais recusas teriam causados danos materiais e morais e violado as regras contratuais e o Código de Defesa do Consumidor.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Jelta Veículos em Teresina Jelta Veículos

A Jelta contestou a ação alegando que o defeito informado jamais lhe foi comunicado e argumentou que a autora somente apresentou seu veículo na concessionária no dia 18/08/2015, para realização de um serviço de funilaria em decorrência de um acidente, cujo valor foi pago por uma seguradora. Diz que, quando o veículo foi apresentado o defeito não foi comunicado, restringindo-se a autora a solicitar a troca do óleo e do filtro. Afirma que o reboque a que a autora diz ter direito é fornecido pela Fiat, por meio do serviço Confiat, não tendo qualquer ingerência no serviço. Alegou a inépcia da inicial e ilegitimidade passiva. No mérito, requereu a improcedência do pedido.

Para o juiz ficou devidamente caracterizado o vício no produto adquirido pela autora. “Com efeito, ao adquirir o carro novo (0 km), o consumidor tem a expectativa de que receberá um produto em perfeito estado de conservação e funcionamento, não sendo admissível que algum tipo de defeito, como o comprovado nos autos, se apresente no automotor, sendo de responsabilidade da concessionária, até mesmo pela hipossuficiência técnica e econômica do consumidor, adotar as providências para sanar o vício apontado”, diz.

Segundo a sentença, a privação do uso do veículo de forma regular pela autora, e a falta de atendimento aos requerimentos de conserto do defeito existente no carro constituem motivo relevante para indicar a existência de dano moral.

Aponta que as circunstâncias demonstram que a autora sofreu dissabores que extrapolam o razoável, gerando efetiva lesão a direito da personalidade.

A sentença foi prolatada no dia 24 de junho e cabe recurso ao Tribunal de Justiça do Piauí.

Outro lado

Nenhum responsável pela empresa foi localizado pelo GP1.