Teresina - PI

Julgamento de envolvido na morte do cabo Claudemir acontece dia 28

O julgamento deveria ter ocorrido no dia 17 de junho, mas foi adiado porque o advogado de defesa de Igor de Sousa, Arnaldo Silva, apresentou um atestado médico.

Bárbara Rodrigues
Teresina
- atualizado

O julgamento de Igor de Sousa Andrade, acusado de participar do assassinato do cabo Claudemir de Paula Sousa deve acontecer na próxima sexta-feira, 28 de junho, no Tribunal do Júri. Claudemir foi assassinado no dia 6 de dezembro de 2016 no bairro Saci, na zona Sul de Teresina.

A sessão será presidida pelo juiz Antônio Reis de Jesus Nollêto. O promotor de Justiça João Malato Neto será o representante do Ministério Público do Estado do Piauí responsável pela acusação.

  • Foto: Facebook/Claudemir SousaCabo Claudemir foi morto em dezembro de 2016Cabo Claudemir foi morto em dezembro de 2016

O julgamento deveria ter ocorrido no dia 17 de junho, mas foi adiado porque o advogado de defesa de Igor de Sousa, Arnaldo Silva, apresentou um atestado médico, afirmando que não poderia comparecer ao julgamento.

Igor de Sousa Andrade foi apontado pelo Ministério Público como o responsável para ceder aos assassinados as armas de fogo e o carro, modelo Fiat Uno Vivace, que possuía placa adulterada e que havia sido roubado no ano de 2015. O indivíduo vai a julgamento pelos crimes de homicídio duplamente qualificado, associação criminosa, roubo, adulteração de sinal identificador de veículo automotor e porte ilegal de arma de fogo de uso permitido.

Entenda o caso

O cabo Claudemir Sousa, lotado no Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE) da Polícia Militar, foi morto com vários tiros, no dia 6 de dezembro de 2016, na porta de uma academia na avenida principal do bairro Saci, zona sul de Teresina. Uma câmera de segurança da academia flagrou o momento em que o policial foi surpreendido por um criminoso.

Horas após o assassinato, cinco pessoas foram presas acusadas de terem arquitetado e executado o crime, dentre essas, um funcionário da Infraero acusado de ser o mandate do assassinato, e também um taxista, que foi o responsável por agenciar quatro homens para matar o policial militar. Na tarde do mesmo dia foi preso Flávio Willames, que havia saído há dois meses do Complexo de Pedrinhas, em São Luís-MA.

Em janeiro de 2017, o promotor Régis de Moraes Marinho denunciou oito acusados da morte do policial: Maria Ocionira Barbosa de Sousa (ex-diretora administrativa do Hospital Areolino de Abreu), Leonardo Ferreira Lima (ex-funcionário da Infraero), Francisco Luan, Thaís Monait Neris de Oliveira, Igor Andrade Sousa, José Roberto Leal da Silva (taxista), Flávio Willame da Silva e Weslley Marlon Silva.

No dia 12 de junho de 2017, o juiz ouviu as testemunhas no caso. No dia 30 de junho, os acusados de envolvimento na morte do cabo Claudemir de Sousa mudaram o discurso e negaram que tenham feito parte do plano para acabar com a vida do oficial do Batalhão de Operações Especiais (Bope) do Piauí.

Em janeiro de 2018, o juiz de direito Antônio Reis Nollêto, da 1ª Vara do Tribunal do Júri, pronunciou todos os oito envolvidos no assassinato do cabo Claudemir Sousa e revogou as prisões dos acusados.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Julgamento de envolvido na morte do cabo Claudemir é adiado

Marcado Júri Popular de envolvido na morte do cabo Claudemir Sousa

Acusado de executar cabo Claudemir de Sousa morre no HUT