Eleições 2018

Marcelo Castro diz que MDB não aceitaria desmoralização pública

O deputado afirmou o apoio do partido a Wellington Dias é irreversível, havendo apenas uma exceção: “A não ser que haja uma desmoralização pública do partido, que o MDB fique numa posição humilhada”.

Wanessa Gommes
Teresina
- atualizado

O deputado federal e presidente estadual do MDB, Marcelo Castro, voltou a falar sobre a composição da chapa majoritária e proporcional da base governista. A entrevista foi dada ao Jornal Agora, da TV Meio Norte, na tarde desta terça-feira (15).

Marcelo reafirmou que o partido tem sido transparente na negociação: “O MDB tem se colocado de maneira muito clara, muito transparente, jogando aberto, de maneira leal, respeitando a posição dos outros partidos da base do Governo, mas pela força do MDB, pela significação do MDB, pela quantidade de parlamentares que tem o MDB, a sua força eleitoral, nós queremos participar da chapa majoritária e queremos participar da chapa proporcional”, declarou.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Marcelo CastroMarcelo Castro

O parlamentar declarou que a cobrança principal do partido é em relação à chapa proporcional: “Então, a chapa proporcional é a nossa reivindicação nº 1, isso foi dito formalmente para o governador Wellington Dias na semana ‘trasada’ em que o MDB, de maneira oficial, fomos lá, e dissemos ao governador que o partido tem duas reivindicações, primeiro, a coligação proporcional, segundo, a vaga de vice-governador para o deputado Themístocles. Se nós participarmos da chapa proporcional para deputado federal e estadual e nós tivermos a vaga de vice, então você pode dizer que o MDB foi atendido em 100% das suas reinvindicações”, afirmou.

Questionado se tiver que escolher entre as duas exigências, Marcelo respondeu: “Nós não vamos trabalhar com opções, porque se eu admitir uma opção eu já estou jogando a outra fora e não seria inteligente da nossa parte, o que nós vamos fazer é sentar à mesa e vamos negociar”, garantiu.

Ainda de acordo com o deputado, o apoio do partido a Wellington Dias é irreversível, havendo apenas uma exceção: “A não ser que haja uma desmoralização pública do partido, que o MDB fique numa posição humilhada”, enfatizou, completando ainda que se a sigla não for contemplada com nenhuma das reivindicações “é a mesma coisa que dizer: ‘MDB, faça o favor de se retirar, que você está sendo incômodo nesta coligação’”.

MATÉRIAS RELACIONADAS

Assis Carvalho diz que PT terá chapa pura na disputa para deputado

Marcelo Castro diz não concordar com decisão do PT sobre chapa pura

Themístocles Filho diz que MDB só tem interesse pela vaga de vice

Marcelo Castro defende agilidade na definição da chapa governista