Teresina - PI

PM's são presos após sequestro de gerente de banco em Teresina

Segundo o coronel Lindomar, "foram detidos apenas dois policiais por erro de procedimento. Não há nenhuma acusação com relação ao dinheiro, mas sim em relação a erro de procedimento", frisou.

Brunno Suênio
Teresina
Thais Souza
Teresina
- atualizado

Dois cabos do 5° Batalhão da Polícia Militar (PM) foram presos, por medida disciplinar e administrativa, na noite dessa terça-feira (19), na Corregedoria da PM, após cometerem erros no procedimento da ocorrência sobre a tentativa de assalto a Agência do Banco Nordeste, localizada na João XXIII, zona leste de Teresina.

O subcomandante da Polícia Militar do Piauí, coronel Lindomar Castilho, explicou com detalhes como ocorreram as prisões: “Foram detidos apenas dois policiais, por erro de procedimento. Não há nenhuma acusação com relação ao dinheiro, mas sim em relação a erro de procedimento. Nós militares temos que seguir alguns procedimentos em qualquer ocorrência, e ‘lá’ [Banco do Nordeste] não foi observado isso”, explicou.

  • Foto: Thais Souza/GP1Banco do NordesteBanco do Nordeste

Conforme o coronel, o comandante pode decretar a prisão de qualquer policial diante de um fato que possa ferir a disciplina. "Somos orientados a preservar o local do crime. Então se deve, primeiramente, fotografar, chamar a perícia, ou seja, preservar o local e só depois liberar, para contar do dinheiro. E os policiais não fizeram isso, carregaram o dinheiro na viatura, sem nenhum cuidado, sem ninguém do banco para acompanhar. O Greco está investigando outra vertente, porque segundo o pessoal do banco, o valor apresentado na delegacia não confere com o valor que foi subtraído do banco, mas isso está sendo apurando através do inquérito criminal. O delegado Willame Moraes, coordenador do Greco, comentou que foi retirado do banco em torno de R$ 700 mil, e foi apresentado em torno de R$ 300 mil", revelou.

Ainda segundo o coronel Lindomar, os militares que foram presos estão recolhidos no quartel da PM. “Eles foram presos ainda na noite de ontem (19). Eles foram chamados na Corregedoria da PM e a Corregedoria decretou a prisão deles. Já em relação ao dinheiro que foi subtraído, o Greco [Grupo de Repressão ao Crime Organizado] está apurando, ninguém sabe se é banco, se é a polícia, ou se é a quadrilha”, finalizou Castilho.

Relembre o caso

A gerente e tesoureira Marlene Portela, do Banco do Nordeste da Avenida João XXIII, foi sequestrada e sua família feita refém na manhã desta terça-feira (19). A bancária foi abordada na porta de casa, no bairro Aeroporto, na zona norte da capital, e levada para a agência bancária, enquanto seus familiares foram feitos reféns.

A polícia foi acionada por populares e chegou no momento em que a mulher saía do banco. O suspeito que estava com a vítima foi preso com uma cesta cheia de dinheiro. Os outros comparsas, que o esperavam dentro de um carro, modelo Nissan Versa, de cor cinza, conseguiram fugir.

Mais conteúdo sobre: