GP1

Teresina - Piauí

TJ nega liberdade a militar que atirou em foliões na Banda Bandida

A decisão do desembargador Sebastião Ribeiro Martins, do Tribunal de Justiça do Piauí, é da última quinta-feira (25).

O desembargador Sebastião Ribeiro Martins, do Tribunal de Justiça do Piauí, negou pedido de Habeas Corpus impetrado pela defesa do cabo do Exército, Wanderson Lima Fonseca, acusado de balear foliões durante a prévia carnavalesca da Banda Bandida em Teresina. A decisão é da última quinta-feira (25).

A defesa alegou que não há razões concretas para a manutenção da prisão cautelar, posto que inexistem os requisitos autorizadores da prisão preventiva do militar, salientado que o magistrado não fundamentou suficientemente a constrição provisória do réu.

  • Foto: Divulgação/Polícia CivilCabo Wanderson Lima FonsecaCabo Wanderson Lima Fonseca

Na decisão, o magistrado disse que não vislumbrou os requisitos necessários à concessão da medida, “sendo inviável a concessão da liminar, neste momento”.

“(...) não resta suficientemente demonstrado, num primeiro momento, o elemento da impetração que indica a notória existência do constrangimento ilegal, nem mesmo a probabilidade do dano irreparável, pressupostos essenciais à concessão da liminar vindicada”, diz trecho da decisão.

Relembre o caso

Wanderson Lima Fonseca foi preso, no dia 16 de janeiro, acusado de atirar em três pessoas durante a prévia de Carnaval da Banda Bandida, no centro de Teresina.

As vítimas foram identificadas como Jardel de Oliveira Marques, Paulo Roberto Rodrigues da Costa e um jovem identificado apenas como Ramile Rodrigues Dantas. O GP1 divulgou o vídeo que mostra o momento exato do tiroteio na prévia carnavalesca.

Na última segunda-feira (22), o cabo foi indiciado pela polícia pelos crimes de tentativa de homicídio, lesão corporal e porte ilegal de arma de fogo.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.