GP1

Teresina - Piauí

Ex-cabo do Exército Wanderson Lima é condenado a 6 anos de prisão

O julgamento aconteceu nesta quinta-feira (06), no Tribunal Popular do Júri, no Fórum Cível e Criminal Desembargador Joaquim de Sousa Neto.

O ex-cabo do exército, Wanderson Lima Fonseca, foi condenado a 6 anos e 5 meses, como já foram cumpridos sete meses, ainda faltam 5 anos e 9 meses de prisão em regime semiaberto por balear três pessoas durante a prévia carnavalesca Banda Bandida, ocorrida em janeiro deste ano em Teresina. O julgamento aconteceu nesta quinta-feira (06), no Tribunal Popular do Júri, no Fórum Cível e Criminal Desembargador Joaquim de Sousa Neto.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Julgamento do ex-cabo Wanderson Lima Julgamento do ex-cabo Wanderson Lima

O promotor Márcio Carcará, responsável pela acusação, afirmou que “no julgamento todas as teses do Ministério Público foram acatadas pelos jurados por maioria de votos, 4 a 0, nos quesitos autoria, materialidade, também reconhecendo que Wanderson tentou matar, negando a absolvição do acusado e a tese do privilégio”.

O advogado de defesa, Marcos Vinícius Brito, explicou que Wanderson cumpriu uma parte da pena em regime fechado na Penitenciária Irmão Guido e que, agora, será transferido para a Colônia Agrícola Major César de Oliveira.

A defesa irá decidir, junto com a família de Wanderson, se vai recorrer a decisão judicial nos próximos dias. “Como a defesa tem um prazo de cinco dias e eu fiz dois juris seguidos, um na quarta e outro na quinta, eu não tive tempo de me reunir com a família. Mas, eu vou me reunir com eles na segunda-feira e decidir”, concluiu o advogado.

Entenda o caso

Na noite do dia 13 de janeiro de 2018, o ex-cabo do Exército Wanderson Lima Fonseca efetuou disparos contra foliões durante a prévia carnavalesca Banda Bandida, no centro de Teresina. As vítimas foram identificadas como Jardel de Oliveira Marques, Paulo Roberto da Costa e Ramile Rodrigues Dantas.

No dia 16 de janeiro, Wanderson se apresentou no 1º Distrito Policial, mas foi preso por conta de um mandado de prisão preventiva.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.