GP1

Porto - PI

Dó Bacelar é acusado de usar dinheiro do Fundeb para pagar dono de bar

O gestor ainda é acusado de utilizar recursos do Fundeb para pagar familiares, motorista e uma empregada doméstica. O Ministério Público Federal pediu a condenação de prefeito e dos beneficia

O Ministério Público Federal apresentou alegações finais na ação civil de improbidade administrativa ajuizada pelo Município de Porto contra o prefeito Domingos Bacelar de Carvalho (Progressista), o conhecido “Dó Bacelar”, acusado de transferir recursos do Fundeb para contas de particulares no valor total de R$ 234.594,60 (duzentos e trinta e quatro mil quinhentos e noventa e quatro reais e sessenta centavos) no mês de dezembro de 2012, final de mandato, após ser derrotado nas urnas na tentativa de reeleição.

  • Foto: Alef Leão/GP1Dó BacelarDó Bacelar

Segundo o vasto material probatório juntado aos autos, Dó Bacelar transferiu os recursos para os seguintes beneficiados e contas:

Abel Gonçalves Silva Neto, filho da professora Celma, ex-secretária de Educação, que recebeu em 06 de dezembro de 2012 a quantia de R$ 4.500,00 (quatro mil e quinhentos reais).

Adail F. Lima Neto, contador da gestão do prefeito Dó Bacelar, recebeu a quantia de R$12.760,00 (doze mil setecentos e sessenta reais).

Adão Fernandes Oliveira, proprietário de um bar na cidade de Porto, recebeu em sua conta particular transferência de R$ 3.000,00 (três mil reais).

Antônio Rodrigues Geronço, primo de Dó Bacelar, recebeu duas transferências totalizando a quantia de R$ 6.400,00 (seis mil e quatrocentos reais).

Dirce Andrade Silva, cunhada de Dó Bacelar, recebeu no mês de dezembro de 2012 transferências que totalizaram o valor de R$ 10.532,06 (dez mil quinhentos e trinta e dois reais e seis centavos).

Edileusa Carvalho, empregada doméstica de Dó Bacelar, recebeu transferências em sua conta particular no valor de R$ 5.610,00 (cinco mil seiscentos e dez reais).

Edmundo Ramos Moreira, motorista do ex-prefeito Dó Bacelar, recebeu duas transferências no valor de R$11.150,00 (onze mil e cento e cinquenta reais).

Graccho Pires de Castro Sobrinho, escrivão de Polícia Civil em Porto/PI, recebeu transferências no valor de R$ 33.412,00 (trinta e três mil quatrocentos e doze reais).

Ivanete Ferreira Rocha, ex-secretária de Educação de Porto/PI, recebeu três transferências totalizando R$ 16.020,00 (dezesseis mil e vinte reais).

Maria do Carmo Bacelar de Carvalho, irmã de Dó Bacelar, recebeu transferência no valor de R$ 3.500,00 (três mil e quinhentos reais).

Maria de Lourdes Silva, ex-secretária do Trabalho e Ação Social, recebeu duas transferências no valor de total de R$26.990,00 (vinte e seis mil novecentos e noventa reais).

Virgílio Bacelar de Carvalho, irmão de Dó Bacelar, recebeu duas transferências no valor total de R$12.232,06 (doze mil duzentos e trinta e dois reais e seis centavos).

VR Cardoso Filho Comércio, nome empresarial do Posto de Gasolina Santa Cruz, situado em Alto Longa/PI, recebeu uma transferência no valor de R$26.110,00 (vinte e seis mil cento e dez reais).

MPF pede condenação

O Ministério Público Federal pede a condenação de Dó Bacelar e dos beneficiados com as transferências irregulares nas sanções previstas na Lei de Improbidade Administrativa, no caso, a perda da função pública, ressarcimento integral do dano, suspensão dos direitos políticos, multa civil e a proibição de contratar com o Poder Público.

Em despacho de ontem (28), o juiz Agliberto Gomes Machado, da 3ª Vara Federal da Seção Judiciária do Piauí, determinou a intimação dos requeridos para a apresentação de suas alegações finais.

Outro lado

O prefeito Dó Bacelar não foi localizado pelo GP1.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.