GP1

Coronavírus no Piauí

CRM-PI denuncia irregularidades no Hospital Regional de Bom Jesus

A Sesapi encaminhou nota informando que o Hospital de Bom Jesus passou por uma reforma recentemente.

O Conselho Regional de Medicina do Piauí (CRM-PI) denunciou irregularidades no Hospital Manoel de Sousa Santos, conhecido como Hospital Regional de Bom Jesus, no sul do estado. Após participar de uma videoconferência no último dia 14, membros do conselho observaram a falta de tomógrafo e de antibióticos.

A videoconferência foi solicitada pelo Ministério Público Estadual (MPE) e participaram da vistoria a promotora Cláudia Seabra, membros da Secretaria de Estado de Saúde (Sesapi), o prefeito Marcos Elvas, representantes do Conselho Regional de Enfermagem (Coren-PI), do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Crefito-PI), conselheiro do CRM-PI, Bruno Ribeiro e o médico fiscal Juarez Holanda.

Além da falta de tomógrafo, o CRM-PI denunciou a demora para entrega de exames para detectar infectados por covid-19. Segundo o conselho, o exame que demora dois dias para ser entregue, no Hospital de Bom Jesus chega a demorar 5 dias para entregar o resultado.

Ainda conforme o conselho, não há vestimentas adequadas para pacientes e foi constatada a falta de antibióticos. O consultório, a sala de triagem e a sala de medicação também, conforme o CRM-PI, funcionam no mesmo local, o que é proibido.

O conselho diz ainda que a Sesapi prometeu abrir dez leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), mas que o hospital ainda segue em reforma e alegou que a escala médica está incompleta, faltando insumos e medicamentos.

Outro lado

Procurada, a Secretaria de Estado de Saúde (Sesapi) encaminhou uma nota informando que o Hospital Manoel de Sousa Santos recentemente passou por uma reforma para assegurar o atendimento e segurança dos pacientes em Bom Jesus.

Confira a nota na íntegra

O Hospital Regional Manoel de Sousa Santos, localizado em Bom Jesus, foi uma das unidades da rede estadual de saúde que passou por adaptações dentro de sua organização interna para garantir atendimento para os pacientes. O Hospital foi dividido em dois setores, um para pacientes suspeitos ou confirmados com a COVID-19 e outro para pacientes com outras enfermidades. A medida garante que os pacientes não tenham contatos, assegurando a segurança de todos.

O diretor da unidade, Dr. Helder Meneses, explica que todas as adaptações feitas permitiram que o hospital garantisse o atendimento para todos os pacientes que precisem do serviço. “O nosso hospital está localizado no extremo sul do nosso estado e atende a cerca de 23 municípios. Neste momento de pandemia tivemos essa adaptação, do isolamento de um setor para os casos de COVID-19 que conta com uma sala de atendimento; 08 leitos clínicos e 02 de estabilização e o espaço não COVID para os demais pacientes”, fala o diretor.

O diretor aponta ainda que devido a organização efetuada no hospital, com a dinâmica atual a equipe da unidade conseguiu assegurar com que não haja o contato de pacientes COVID e não COVID dentro do hospital, sendo que cada tipo de paciente possui sua própria área para atendimento, com equipe de profissionais diferentes, equipamentos próprios e espaços separados.
O hospital se prepara ainda para iniciar o funcionamento de 10 leitos de UTI que irão atender a população da região. “Nós já estamos nas etapas finais de instalação das UTIs e logo teremos 10 desses leitos prontos para atender a nossa população quando necessário”, apresenta o diretor.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.