GP1

Piauí

MP aponta que cabo Agnaldo desviou mais de R$ 2 milhões da Abecs

Ele e a esposa são acusados de usura, estelionato, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

O Ministério Público do Estado do Piauí, através do promotor Plínio Fabrício de Carvalho Fontes, denunciou o presidente da Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar do Piauí - ABECS-PI, cabo Agnaldo José de Oliveira, e a sua esposa, Olívia Tangneth Nogueira de Oliveira, diretora da Associação Beneficente das Esposas dos Reformados e Pensionistas da Polícia Militar do Piauí - ABRESPPOM - pelos crimes de usura, estelionato, lavagem de dinheiro e associação criminosa. A denúncia é do último dia 28 de novembro de 2018.

De acordo com a denúncia do Ministério Público do Piauí, os acusados, utilizando-se das referidas associações que dirigiam, ofereciam empréstimos a servidores públicos estaduais com juros superiores a 20%, em alguns casos, chegando a 42% ao mês.

Segundo consta na denúncia, para permitir o desconto dos juros no contracheque das vítimas, Agnaldo e Olívia, com auxílio do contador José de Jesus, criaram a ABRESPPOM, para que os pagamentos dos empréstimos fossem camuflados como contribuição associativa.

  • Foto: Facebook/Aguinaldo Oliveira Aguinaldo Oliveira Agnaldo Oliveira

“Entre 2012 e 2017, a ABECS-PI transferiu eletronicamente R$ 2.358.108,00 (dois milhões, trezentos e cinquenta e oito mil, cento e dezoito reais), para a conta pessoal de seu presidente, Agnaldo, em 121 transações. Em 2012, de março a maio, Agnaldo sacou R$ 105.090,00 em (quatro saques). Tal numerário aparentemente fora o capital inicial para os empréstimos que seriam descontados do contracheque das vítimas através da ABRESPPOM-PI. Entre 2012 e 2017, fora sacado mais de quatro milhões e trezentos mil, das contas da ABRESPPOM-PI, por sua presidente”, diz trecho da denúncia.

Na ação, o promotor Plínio Fontes denunciou ainda o contador José de Jesus Castro Andrade Oliveira por lavagem de dinheiro e associação criminosa e pediu o ressarcimento dos valores movimentados por Agnaldo e Olívia, que juntos somam mais de R$ 6.658.118,00 (seis milhões, seiscentos e cinquenta e oito mil e cento e dezoito reais).

O inquérito, que teve início no ano de 2016, foi produzido pelo delegado JJ, titular da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Ordem Tributária e as Relações de Consumo, após denúncia dos próprios associados.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Justiça manda prender cabo Agnaldo Oliveira por estelionato

Polícia investiga cabo Agnaldo por crime de agiotagem na Abecs

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.