GP1

Polícia

Juiz nega pedido de liberdade para o assassino de Tote Aristides

Na decisão, de 04 de novembro, o juiz Ulysses Gonçalves da Silva Neto, afirmou existir o risco concreto de reiteração delitiva e é evidente o risco que a liberdade do acusado apresenta a soci

A Justiça negou o pedido de liberdade provisória interposta pela defesa de Jailson Xavier de Sousa, assassino confesso do ex-presidente da Câmara Municipal de Esperantina, vereador Antônio Aristides de Carvalho, o conhecido Tote Aristides.

Na decisão, de 04 de novembro, o juiz Ulysses Gonçalves da Silva Neto, da Comarca de Esperantina, afirma existir o risco concreto de reiteração delitiva e é evidente o risco que a liberdade do acusado apresenta a sociedade. O juiz entendeu que o fato de Jailson ter fugido e permanecido fora do distrito da culpa, somente vindo a ser encontrado após incessantes buscas, torna inadequadas as medidas cautelares diversas da prisão.

  • Foto: Divulgação/SSP-PIJailson foi apresentado na Secretaria de SegurançaJailson foi apresentado na Secretaria de Segurança

O magistrado, na mesma decisão, recebeu a denúncia em todos os seus termos em desfavor de Jailson Xavier de Souza e designou o dia 08 de março de 2017 para a audiência de instrução.

Relembre o caso

O presidente da Câmara Municipal de Esperantina, Antônio Aristides de Carvalho (PMDB), o “Tote Aristides”, 64 anos, foi assassinado com um tiro de revólver, na noite do dia 28 de agosto, nas proximidades da residência dele, na avenida Bernardo Bezerra”. 

  • Foto: PortalespVereador ToteVereador Tote

Tote Aristides foi alvejado ao tentar impedir uma briga de casal, quando o marido tencionava executar a esposa, e o vereador ao se colocar a frente foi atingido. Mesmo baleado, o vereador dirigiu o seu veículo até a residência de um morador, quando gritou por socorro e ao ser atendido veio a óbito.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.