GP1

Política

Prefeito Selindinho é acusado de perseguição política contra servidores

Em entrevista ao GP1, nesta segunda-feira (11), o vereador Veloso afirmou que o prefeito está removendo servidores que fazem parte da oposição sem nenhuma justificativa.

O vereador Francisco Veloso Neto está acusando o prefeito de Colônia do Piauí, Selindo Mauro Carneiro Tapeti Segundo, mais conhecido como Selindinho, de perseguição política contra os servidores efetivos que não votaram nele.

Em entrevista ao GP1, nesta segunda-feira (11), o vereador afirmou que o prefeito está removendo servidores que fazem parte da oposição sem nenhuma justificativa. “Todo ato de remoção deve ter motivação para que possa acontecer, a remoção pode acontecer, mas desde que tenha uma motivação justa, sem que aconteça perseguição partidária, onde tenha que haver a continuidade do serviço público, embora seja uma gestão nova, o serviço continua sendo o mesmo”, explicou o denunciante.

Foto: Reprodução/FacebookSelindo Mauro
Selindo Mauro

Veloso citou como exemplo uma servidora que há quase 10 anos é lotada em um setor, mas que foi removida por não ter votado no prefeito. “No caso dessa servidora, Luiza, há 9 anos ela trabalha em um setor na Secretaria de Saúde, é concursada da prefeitura e por não ter votado no prefeito, sem nenhuma motivação, ela foi transferida para a área da Educação. O prefeito apenas mandou recado para que ela não fosse para o posto de trabalho e em seguida ele mandou uma portaria de nomeação onde ele não justifica o motivo da transferência”, relatou o parlamentar.

“Se a servidora não cometeu nenhum crime no seu ambiente de trabalho, vem cumprindo com a sua responsabilidade não vejo porque ela ser removida e para o seu lugar ser colocada outra funcionária contratada”, argumentou.

Foto: Divulgação/AscomVereador Veloso
Vereador Veloso

Para o vereador o único motivo das remoções é a questão política. “Notadamente a única justificativa para ela, e outros servidores serem removidos é por não teren votado no prefeito”.

“Acontece em Colônia do Piauí uma perseguição em massa na substituição de servidores efetivos, isso comprova e caracteriza perseguição política por parte do novo gestor”, finalizou o vereador.

Confira abaixo a remoção de um dos servidores

Foto: ReproduçãoRemoção de servidora
Remoção de servidora

Outro lado

Procurado nessa terça-feira (12), o prefeito Selindinho enviou nota onde nega as acusações do vereador. De acordo com o gestor, no início de nova gestão, como é de praxe, é realizada a reorganização da Administração Pública.

Confira abaixo a nota na íntegra:

A respeito da matéria https://www.gp1.com.br/politica/noticia/2021/1/12/prefeito-selindinho-e-acusado-de-perseguicao-politica-contra-servidores-493936.html#.X_2KmOkoTR4.whatsapp, o Prefeito Selindinho tem a esclarecer que:

1 – É inverídica e fantasiosa a acusação do denunciante.

2 – No início de nova gestão, como é de praxe, é realizada a reorganização da Administração Pública.

3 – Como se sabe, não é direito do servidor público a lotação permanente em determinado local de trabalho, ainda mais se tratando de servidores da área meio da Administração (agentes administrativos e serviços gerais).

4 – No caso da servidora citada, a mesma foi removida da Secretaria Municipal de Saúde para exercer suas funções na Creche Municipal Monteiro Lobato, que fica, inclusive, mais próximo de sua residência. A servidora lotada no Hospital também é efetiva.

5 – Acrescente-se, ainda, que foram realizadas remoções de diversos servidores (todos na zona urbana) e não somente da irmã do denunciante, este que, num passado muito próximo, realizava remoção de servidores da zona urbana para zona rural, aqui sim, com motivação política.

6 – Eis a verdade dos fatos.

Colônia do Piauí, 12 de janeiro de 2020.

Selindo Mauro Carneiro Tapeti Segundo – Selindinho

Prefeito Municipal

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.