GP1

Política

Bolsonaro afirma que Rodrigo Maia e PT ‘são coisas muito parecidas’

O chefe do executivo lembrou que Maia foi favorável ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e que no passado condenou a atuação do partido.
Por Estadão Conteúdo

Em mais uma crítica a Rodrigo Maia (DEM-RJ), o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira, 8, que o atual presidente da Câmara e o PT são “coisas muito parecidas”. Em conversa com apoiadores, ele citou a aliança do bloco de Maia com o PT para na eleição para a presidência Casa, em fevereiro. O chefe do executivo lembrou que Maia foi favorável ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e que no passado condenou a atuação do partido.

“Quando o Rodrigo Maia votou pela cassação da Dilma, deu um voto criticando o PT, que perseguiu o pai dele (César Maia) que era prefeito no Rio. E deu um voto firme, objetivo, e apontando que o PT era a maior desgraça do mundo. Hoje, está junto com o PT nas eleições da presidência da Câmara”, afirmou.

Em seguida, o chefe do Executivo sugeriu que Maia e o PT se assemelham. “Pelo poder, água e óleo não se misturam. Se bem que aí eu acho que não é água e óleo, não, são duas coisas muito parecidas”, completou.

Para as eleições em fevereiro, o presidente da Câmara articulou o apoio a Baleia Rossi (MDB-SP) com partidos da oposição e de centro-direita. O bloco de aliados é formado por DEM, MDB, PSB, PSDB, PSL, PDT, Cidadania, PV, PT, PCdoB e Rede, com 281 deputados.

Parte dos membros do PSL, contudo, declarou apoio ao candidato do Palácio do Planalto, deputado Arthur Lira (PP-AL). O líder do Centrão afirma ter o apoio de dez siglas: PP, PL, PSD, Republicanos, Solidariedade, Patriota, Avante, Pros, PTB e PSC, no total 193 parlamentares.

Na conversa com apoiadores nesta manhã, Bolsonaro também voltou a colocar em dúvida sua candidatura à reeleição em 2022, apesar de trabalhar para tal. O presidente também comentou a situação de endividamento do País, mas afirmou que os problemas vão “se vencendo aos poucos” como parte do “jogo de poder”.

“Nós temos problemas aqui que se vai vencendo aos poucos, mudando aos poucos a mentalidade, a cabeça das pessoas, o entendimento. É um jogo de poder o tempo todo. Mas tudo bem a gente vai superando. Eu tenho certeza que entregarei o Brasil melhor do que recebi em 2022, mas espero que apareça liderança aí”, disse.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.