GP1

Política

Eliane Nogueira diz que PEC dos Precatórios será aprovada no Senado

“Nós precisamos aprovar a PEC porque é um projeto do nosso presidente Jair Bolsonaro", disse a senadora.

A senadora Eliane Nogueira (Progressistas) disse, nesta segunda-feira (08), que acredita que a PEC dos Precatórios será aprovada tanto pela Câmara dos Deputados, em segundo turno, quanto no Senado Federal.

Eliane que a aprovação da PEC é necessária para ajudar as pessoas que foram afetadas financeiramente por conta da pandemia da covid-19. “Nós precisávamos apoiar isso e vamos continuar apoiando porque o povo do Piauí, mas também o povo do Brasil, ficou sem trabalho, sem renda, por conta da pandemia”, afirmou.

Foto: Lucas Dias/GP1Senadora Eliane Nogueira
Senadora Eliane Nogueira

“Nós precisamos aprovar a PEC, porque é um projeto do nosso presidente Jair Bolsonaro. Com certeza, vai passar mais uma vez na Câmara e será aprovada também no Senado Federal”, completou Eliane Nogueira.

A senadora disse ainda que não está pensando em benefícios políticos com a criação do Auxílio Brasil, mas sim em ajudar a quem precisa. “Eu estou pensando no benefício que isso vai trazer para a população carente, não estou pensando na parte política, mas com certeza que isso vai melhorar [a popularidade do presidente] porque o povo vai reconhecer o que ele [Bolsonaro] está fazendo pela população”, declarou Eliane Nogueira.

Aprovação da PEC

A Câmara dos Deputados aprovou, em segunda votação, a PEC dos Precatórios que libera cerca de R$ 90 bilhões para viabilizar programa Auxílio Brasil. Foram 312 votos a favor e 108 contrários.

Para ser promulgada, uma PEC precisa receber pelo menos 308 votos na Câmara e 49 no Senado, em dois turnos. Dos 10 deputados piauienses, sete votaram a favor da PEC, dois contra e um parlamentar se ausentou.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.