GP1

Política

Políticos do Piauí lamentam falecimento de Dom José Freire Falcão

O religioso estava internado em Brasília e faleceu nesse domingo (26) vítima de complicações da covid-19.

Políticos piauienses usaram as redes sociais nessa segunda-feira (27) para lamentar o falecimento do ex-arcebispo de Teresina, Dom José Freire Falcão. O religioso estava internado em Brasília e faleceu nesse domingo (26) vítima de complicações da covid-19.

O senador Elmano Férrer (Progressistas) emitiu nota de pesar e relembrou que foi Dom Falcão o responsável por receber o Papa João Paulo II na década de 80 no estado do Piauí.

“Foi Dom Falcão o responsável pela recepção do papa João Paulo II, em 1980, na única visita de um sumo pontífice ao nosso estado. Ele também criou a Diocese de Campo Maior. Que o legado do cardeal seja sempre lembrado por nós”, diz a nota de Elmano.

A senadora Eliane Nogueira afirmou que o sacerdote sempre foi “sábio e discreto”. “Sacerdote sábio e discreto, sempre se pautou pelo bom senso e o amor ao próximo. Elevo meu coração em preces agora que ele foi ao encontro com o Criador”, escreveu Eliane.

O deputado federal Flávio Nogueira afirmou que foi aluno de Dom Falcão. “O conheci em Limoeiro do Norte quando era ainda padre e eu cheguei a ser seu aluno no colégio Diocesano Padre Anchieta. Desde então, uma série de encontros em Teresina, Brasília. Por onde passou, mostrou ser um servo de Deus. Deixo meu sentimento de tristeza e rogo a Deus para que seja bem recebido este teu servo”, afirmou o deputado.

A deputada federal Iracema Portella também lamentou a morte do religioso. “Que Deus receba Dom José Freire Falcão, cardeal arcebispo emérito de Brasília e ex-arcebispo de Teresina, que faleceu na noite passada. Descanse em paz, com a certeza de ter cumprido sua missão com sabedoria e amor ao próximo”, escreveu a deputada.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.