GP1

Rio de Janeiro - Rio de Janeiro

Eduardo Paes prevê derrubar exigência de máscara em novembro no RJ

Atualmente, 57% da população da capital recebeu a primeira dose da vacina e 24%, a segunda dose.
Por Estadão Conteúdo

A prefeitura do Rio de Janeiro anunciou nesta quinta-feira, 29, que pretende eliminar progressivamente restrições impostas em razão da pandemia de covid-19. Com o avanço da vacinação contra a doença, o prefeito Eduardo Paes (PSD) prevê a liberação de eventos com público em um movimento que culminará, em novembro, com o fim da cobrança por distanciamento social e uso de máscaras nas ruas.

O plano de Paes será conduzido em três etapas. A partir de 2 de setembro serão liberados eventos em ambientes abertos e pessoas que já tenham tomado as duas doses da vacina contra covid-19 poderão entrar em danceterias, boates, casas de shows e festas em locais fechados, e também em estádios. Todos esses ambientes terão lotação limitada à metade de sua capacidade, nessa primeira etapa, quando a prefeitura prevê que 77% da população terá recebido a primeira dose da vacina e 45%, a segunda.

Em 17 de outubro, a lotação dos ambientes citados (estádios, danceterias, boates, casas de shows e festas em locais fechados) será ampliada para 100%, para pessoas que tenham recebido as duas doses da vacina. Nesse momento, a prefeitura prevê que 79% da população terá tomado a primeira dose e 65%, a segunda.

A partir de 15 de novembro deixará de haver qualquer restrição à capacidade dos ambientes, não será cobrado mais o distanciamento entre as pessoas e o uso de máscara será obrigatório apenas no transporte público e nos estabelecimentos de saúde. Nesse momento, a prefeitura estima que 80% da população terá recebido a primeira dose da vacina e 75%, a segunda.

Atualmente, 57% da população da capital recebeu a primeira dose da vacina e 24%, a segunda dose.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.