GP1

Saúde

Uso de melatonina como suplemento é aprovado pela Anvisa

Alegações de benefícios associadas ao consumo do suplemento à base da substância, porém, não foram aprova
Por Estadão Conteúdo

O uso da melatonina, conhecida como hormônio do sono, para a formulação de suplementos alimentares foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), por meio da Diretoria Colegiada (Dicol), na quinta-feira, 14. O consumo foi autorizado a pessoas com idade igual ou superior a 19 anos e em dosagem que não ultrapasse 0,21 mg diárias. Alegações de benefícios associadas ao consumo do suplemento à base da substância, porém, não foram aprovadas.

Com a decisão, a melatonina fica disponível, sem receita, como um suplemento alimentar, categoria de produtos destinada à complementação da dieta de pessoas saudáveis com substâncias presentes nos alimentos, incluindo nutrientes e substâncias bioativas, onde está enquadrada funções metabólicas bem caracterizadas. Ao redor do mundo, essa já era uma realidade para diversos países, como os Estados Unidos.

Os suplementos de melatonina devem conter advertência de que não devem ser consumidos por gestantes, lactantes, crianças e pessoas envolvidas em atividades que requerem atenção constante. Quem tiver enfermidades ou usar medicamentos deve consultar seu médico antes de consumir a substância.

Também foram autorizados outros 40 novos constituintes de suplementos alimentares, como a membrana da casca de ovo, como fonte de ácido hialurônico, glicosaminoglicanos e colágeno, e extrato de laranja moro, como fonte de antocianinas.

O que é melatonina?

A melatonina é um hormônio produzido naturalmente no cérebro humano, mais especificamente pela glândula pineal. Ela auxilia no ciclo vigília-sono, ao indicar para os órgãos que a noite chegou. Por isso, é comumente associada ao tratamento de insônia.

A substância pode ser encontrada em pequenas concentrações em alimentos como morango, cereja, vinhos e carne de frango, por exemplo. Ela  também pode ser produzida sinteticamente.

Em entrevista ao Estadão, a endocrinologista Suemi Marui explicou que "alterações do sono como, por exemplo, insônia e sonolência, levam a diversas modificações hormonais, metabólicas, neurológicas e psicológicas". A médica, porém, disse não haver comprovações científicas dos benefícios de se tomar melatonina sintética para essas alterações. Efeitos colaterais do consumo indevido da substância são "dor de cabeça, confusão mental, tontura e náuseas", alerta.

Suemi destacou que a produção natural de melatonina depende do padrão de sono-vigília de cada um. "O sono deve ser reparador, significando não acordar cansado”, resume. A indicação dela é a de que, quando o cansaço parecer constante, busque-se um médico. “Doenças que causam alterações no sono como, por exemplo, problemas da tireoide, apneia do sono e depressão devem ser investigadas e não tratadas com melatonina, que pode atrasar o diagnóstico."

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.