GP1

São Paulo - São Paulo

Câmara de São Paulo aprova projeto que cria Dia da Harmonização Facial

O autor da proposta é o vereador Isac Felix. O projeto ainda precisa passar por outro turno de votação.
Por Estadão Conteúdo

Na quarta-feira (25), os vereadores de São Paulo aprovaram em primeiro turno um projeto que transforma o dia 29 de janeiro no Dia da Harmonização Facial. O autor da proposta é o vereador Isac Felix (PL). O projeto ainda precisa passar por um segundo turno de votação.

O possível Dia da Harmonização Facial já vem de longe. Sua tramitação começou em junho de 2021. O projeto percorreu um caminho considerável – ele já passou pela Comissão de Constituição, Justiça e Legislação Participativa e da Comissão de Educação, Cultura e Esportes, Comissão de Finanças e Orçamento.

Durante a leitura da aprovação do projeto na Câmara, alguns parlamentares não seguraram o riso. O próprio Fernando Holliday (NOVO) não se conteve.

Felix defendeu sua proposta: “Sou um vereador preocupado com a causa das mulheres. Possuo diversos projetos de lei protocolados em prol da luta das mulheres. Como sou vereador de periferia, recebo inúmeras denúncias de casos de violência contra a mulher, violência essa que, na maioria das vezes, vem através da forma física. Devido às marcas físicas que essa violência gera, muitas mulheres se sentem humilhadas”, falou.

“A Sociedade Brasileira de Toxina Botulínica e Implantes Faciais na Odontologia foi quem nos solicitou o pedido para elaboração do projeto. A entidade possui uma parceria com os médicos e dentistas para realização de cirurgias gratuitas nessas mulheres vítimas de violência doméstica visando restaurar a dignidade delas. Portanto, o projeto visa enaltecer esses profissionais e incentivar para que mais sociedades médicas realizem procedimentos que ajudem as mulheres vítimas da violência doméstica”, explicou Felix.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.