Colunista Herbert Sousa
GP1

Paulo Guimarães está proibido de sair do país; Polícia Federal recolhe seu passaporte


PORTAL AZ:

O empresário Paulo Guimarães e mais 13 pessoas investigadas pela operação ‘Sorte Grande’ realizada na última quarta-feira, em conjunto pela Receita e Polícia Federal, estão proibidos de sair do país. Seus passaportes foram recolhidos pela PF.

Segundo o coordenador das operações, o delegado Carlos Alberto Nascimento, a justiça determinou que o passaporte de todos os envolvidos na operação fossem recolhidos para evitar que os investigados saíam do País.

“Em casos assim, a justiça impede que o investigado viage para fora do país até que a investigação encerre”, afirmou o delegado, um dia após a entrevista coletiva das autoridades envolvidas na investigação.
Imagem: Brunno Suênio/GP1Delegado Federal Carlos Alberto(Imagem:Brunno Suênio/GP1)Delegado Federal Carlos Alberto
O empresário Paulo Guimarães tinha viagem programada para Miami (EUA) na manhã de quarta-feira, mas foi alcançado pela Polícia Federal ainda em São Paulo. É de Miami, onde mora desde o início dos anos 2000, que ele comanda as suas empresas no Piauí e demais Estados.

Sorte Grande

As investigações da Polícia Federal constataram que o empresário Paulo Guimarães, dono do Grupo Meio Norte, utilizava empresas e “laranjas”, onde foram realizadas sucessivas mudanças nos quadros societários dessas empresas devedoras do fisco para afastar de seus verdadeiros proprietários e transferiu os seus ativos para novas pessoas jurídicas, também constituídas com o emprego de “laranjas”, deixando as devedoras “falidas”, apenas com as dividas.
Imagem: DivulgaçãoPaulo Guimarães presidente Sistema Meio Norte e José Osmando diretor geral(Imagem:Divulgação)Paulo Guimarães presidente Sistema Meio Norte e José Osmando diretor geral
Segundo a Polícia Federal o grupo empresarial de grande porte, que reúne cerca de 60 empresas é suspeito de crimes como sonegação de impostos, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro em associação criminosa.

“O grupo agia da seguinte forma, quanto determinada empresa estava endividada em relação aos impostos, esta antes de procurar a Receita federal, ela passava seus bens para outra, que o grupo abria. Assim, parcelava suas dividas em parcelas mínimas, que nunca foram pagas”, explica o delegado.

A Operação Sorte Grande contou com a participação de 85 policiais federais, entre delegados, peritos, escrivães e agentes, além de 18 auditores e 4 analistas tributários da receita Federal.

*** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do GP1

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.