GP1

Prefeito Gil Paraibano abandona Picos e empurra aliados para oposição

O gestor vai descumprir o acordo feito com a cúpula do PP e decidiu lançar o próprio filho para deputado.

Com apenas nove meses de gestão à frente da Prefeitura de Picos, Gil Paraibano simplesmente abandonou a cidade. Com uma administração desastrosa, o gestor tem deixado de cumprir com suas obrigações para ficar fazendo politicagem, descumprindo acordos com correligionários e empurrando os vereadores que compõem a base aliada para a oposição.

Em uma demonstração de arrogância e inconsequência, Gil Paraibano vai descumprir o acordo feito com a cúpula progressista (chancelado por Ciro Nogueira) e não vai apoiar a candidatura a deputado estadual do atual prefeito de Paquetá, Thales Coelho Pimentel, o conhecido ‘Dr.Thales’.

Foto: José Maria Barros/GP1Gil Paraibano lidera pesquisas para prefeito de Picos
Gil Paraibano lidera pesquisas para prefeito de Picos

Sem consultar ninguém, o prefeito resolveu lançar o filho, Aldo Gil, para disputar a vaga, em um ato de prepotência e imprudência.

A decisão de Gil Paraibano não está sendo bem digerida pelos vereadores aliados: dos oito parlamentares da base, quatro continuam no propósito de apoiar Dr. Thales (Toinho de Chicá, Eriberto Filho, Filó Portela e Gilson Nunes); dois seguem a orientação do ex-prefeito Zé Néri e apoiam o deputado Nerinho (Dalva Mocó e Chaguinha); e sobram apenas dois para acompanhar o prefeito de Picos (Dedé Monteiro e Pedro Pio).

Por conta da malfadada escolha e da alta rejeição do filho, tirado da manga e passando por cima do acordo, o prefeito vem tendo ataques de cólera e tratando os correligionários com grosseria. 

Com essa atitude, Gil Paraibano arrisca o próprio futuro político, traindo aliados e a própria população que o elegeu.

*** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do GP1

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.