GP1

Coronavírus no Piauí

Covid-19: CRM e OAB pedem lockdown no Piauí pelos próximos 14 dias

As entidades levaram em consideração os dados alarmantes referentes a pandemia.

O Conselho Regional de Medicina (CRM) do Piauí, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Piauí, o Conselho Regional de Enfermagem do Piauí (Coren-PI) e o Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Crefito), assinaram nota conjunta nesta sexta-feira (12), pedindo a determinação de medidas mais rígidas de combate à covid-19 no estado, dentre elas, o fechamento de todas as atividades e serviços, com exceção daqueles considerados essenciais, pelos próximos 14 dias.

Confira aqui a nota na íntegra.

As entidades levaram em consideração os dados alarmantes referentes a pandemia em todo o Brasil, que envolve o colapso na saúde e a circulação de novas variantes do coronavírus. A nota ressalta que a atual situação certamente deve durar por mais um longo tempo.

“Assim, é imperativo e determinante reforçar, principalmente neste momento, a necessidade de empenho, união, cooperação de toda a população, profissionais das mais diversas áreas, gestores (governador, prefeitos, secretários), autoridades e instituições”, consta na nota.

Diante disso, as entidades pedem que seja suspenso em todo o estado o funcionamento de todas as atividade e serviços que não forem considerados essenciais, por um período mínimo de 14 dias.

“Esta nota vem em momento crucial ante o colapso da saúde e não exime, de forma alguma, a responsabilidade do poder público na manutenção das escalas completas de profissionais de saúde – em virtude de dispormos de profissionais em quantidade e qualificação suficientes para ocupá-las”, ressalta a nota.

A nota finaliza com as entidades solicitam a colaboração de toda a sociedade (poder público e população em geral) para que o estado possa enfrentar esse grave momento.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.