Fechar
GP1

Esportes

Justiça do Rio mantém proibição de público no estádio São Januário

O último jogo do Vasco em seu campo foi contra o Goiás, a dois meses, quando perdeu por 1 a 0.

Na tarde desta quarta-feira (30), o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) manteve a proibição de público no estádio São Januário. Por dois votos a um, o campo seguirá com portões fechados, mas está liberado para receber jogos. O Vasco vai recorrer da decisão no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O clube não atua em seu estádio desde a 11ª rodada do Campeonato Brasileiro, quando enfrentou o Goiás. A única magistrada a votar a favor, Andréa Pacha, destacou o prejuízo que o clube tem sofrido por não jogar em seu próprio campo.

Já os magistrados Carlos Santos de Oliveira e Renata Cotta foram os que votaram pela manutenção da interdição do São Januário. A relatora afirmou que considera prematuro remover a interdição do estádio antes de uma perícia no local, que ficou agendada para ser realizada em 90 dias, e até o momento decorreram 69 dias.


A defesa vascaína lamentou a decisão dos desembargadores e prometeu manter a firmeza na luta pelo clube e pela Barreira do Vasco.

“Nós vamos continuar lutando. Acho que isso é muito importante que o torcedor Vasco entenda. O Vasco, a Barreira do Vasco e a torcida do Vasco não podem ser mais prejudicados. A gente vai adotar todas as medidas possíveis e imaginárias para que o Vasco continue obtendo êxito em seus direitos. Eu acho que isso vai ficar importante, não só na nossa posição em relação ao Maracanã, mas como na liberação completa de São Januário. Nós precisamos disso, a torcida precisa disso e a Barreira do Vasco precisa de São Januário de volta” afirmou Gisele Cabrera, diretora jurídica do Vasco.

Na próxima rodada, o Vasco viaja para Salvador, onde vai enfrentar o Bahia, na Arena Fonte Nova. O jogo será às 18h30 deste domingo (3).

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2024 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.