Ciência e Tecnologia

Cinco faculdades do Piauí estão entre as piores do Brasil

O IGC, classifica as instituições, cursos e estudantes universitários em uma escala de 1 a 5, sendo que a nota máxima é 5 e as notas 1 e 2 são consideradas "insuficientes".

Débora Dayllin
Teresina
- atualizado

O Brasil tem mais de 2 mil instituições de ensino superior, 278 delas ficaram com conceitos abaixo do limite de qualidade estabelecido pelo Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior (Sinaes), segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) nesta terça-feira (18).

No Piauí, cinco faculdades receberam nota 2 no Índice Geral de Cursos (IGC), e são consideradas “insuficientes”. São elas: Centro de ensino superior do vale do Parnaíba (Cesvale), Faculdade Integrada do Brasil (Faibra), Instituto Superior de educação do sul do Piauí (Isespi), Instituto Superior de educação São Judas Tadeu (Isesjt) e Faculdade de tecnologia de Teresina (Faculdade CET).

  • Foto: GP1Piores faculdades do PiauíPiores faculdades do Piauí

O IGC

O IGC, assim como os demais indicadores do Sinaes, classifica as instituições, cursos e estudantes universitários em uma escala de 1 a 5, sendo que a nota máxima é 5 e as notas 1 e 2 são consideradas "insuficientes". O índice é divulgado anualmente, mas é composto pela média de outros indicadores aplicados nos três anos anteriores.

Instituições com IGC insuficiente

Uma comparação entre o IGC 2017 e o IGC 2014 mostra que, das 278 instituições que tiveram IGC 1 e 2 neste ano, 269 são particulares e 77 também tiveram conceito insuficiente registrado no triênio anterior.

Em todo país, das nove instituições públicas com nota 2, duas são estaduais e as demais são municipais. Ainda de acordo com os dados, nenhuma universidade, instituto ou centro de educação tecnológica da rede federal teve conceito insuficiente.

Confira aqui a planilha do IGC 2017

Mais conteúdo sobre: