Saúde

Covid-19: Nova York e Europa se preparam para fechar escolas novamente

Países europeus também estão impondo medidas mais severas de isolamento, o que está gerando protestos em diferentes cidades.

Por  Estadão Conteúdo

Mais de 1,3 milhão de pessoas morreram no mundo com o novo coronavírus, o que obrigou vários países europeus a anunciar neste sábado, 14, que vão fechar novamente as escolas. O mesmo aconteceu em Nova York.

Pelo menos 1.305.039 mortes e 53,4 milhões de casos de covid-19 já foram registrados no mundo, de acordo com uma contagem feita pela AFP a partir de fontes oficiais no sábado.

Os Estados Unidos, com 245.574 mortes, é o país com mais vítimas, à frente do Brasil (186.658), Índia (129.188), México (98.259) e Reino Unido (51.304). A Europa, com 284.000 novos casos por dia, é a região onde o vírus se espalha mais rapidamente.

A Áustria e a Grécia anunciaram no sábado que fecharão escolas, enquanto o primeiro-ministro francês, Jean Castex, alertou que devemos nos preparar para viver com o vírus "por muito tempo".

Mas o cansaço das populações aumenta.

Em Portugal, onde já prevalece o toque de recolher noturno, também será estabelecido um toque de recolher de fim de semana para 70% da população. Cerca de 500 pessoas desafiaram as proibições e realizaram uma "Marcha da Liberdade" em Lisboa. “A pandemia está aí, temos que nos proteger, mas sem matar a economia”, argumentou Carla Torres, 33, enquanto protestava.

Na Alemanha, onde há semanas há manifestações contra as restrições, centenas de pessoas marcharam novamente em Frankfurt e outras cidades. A polícia teve que usar canhões de água para dispersar alguns manifestantes.

O Conselho Geral do Colégio Espanhol de Médicos solicitou a renúncia do coordenador de saúde do governo, Fernando Simón, “por sua deficiência manifesta e prolongada ao longo da evolução da pandemia de covid-19”.

A Espanha, colocada como exemplo ao final da primeira onda do coronavírus pela Organização Mundial da Saúde (OMS), já registra mais de 40 mil mortes, e tem alguns dos piores indicadores do Velho Continente. Simón provocou indignação entre os médicos ao minimizar os casos de covid-19 na profissão.

A cidade italiana de Nápoles, onde ocorreram protestos, entrou em uma "zona vermelha". Os hospitais estão lotados e alguns pacientes são tratados diretamente em seus carros.

Num clima de angústia, principalmente entre setores como os pequenos negócios, obrigados a fechar as portas na grande maioria dos países europeus, a esperança está na chegada de uma vacina o mais rápido possível.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) planeja aprovar uma primeira vacina contra o novo coronavírus "até o final do ano" para distribuição "a partir de janeiro", disse seu diretor, Guido Rasi, no sábado.

Enquanto a Europa aperta as restrições, a América Latina e o Caribe, que acumulam mais de 421 mil mortes e chegam a 12 milhões de infecções, iniciaram recentemente o fim progressivo das medidas de isolamento em alguns países. Entre eles está o Chile, que anunciou a reabertura de sua fronteira ao estrangeiro após oito meses de fechamento.

O México, onde em muitos estados a pandemia reaparece, ultrapassou um milhão de infecções no sábado.

“A epidemia está muito ativa, visto pelas reviravoltas, tanto oficiais quanto aquelas registradas por clínicos no atendimento ao paciente (...) Provavelmente ainda vamos ver o pior”, disse à AFP Alejandro Macías, ex-comissário nacional contra a pandemia de influenza A H1N1 em 2009.

O número de infecções no resto dos continentes continua aumentando, exceto na Oceania. Mas é sobretudo nos Estados Unidos que a situação é mais alarmante: quase uma em cada cinco mortes ocorreu neste país, o mais afetado do mundo.

Em Nova York, a cidade dos Estados Unidos mais atingida entre março e junho, a taxa de teste positivo - que por algum tempo se manteve perto de 1% - agora aumenta diariamente e na sexta-feira ultrapassou, pela primeira vez, o limite crítico de 3%.

O prefeito Bill de Blasio, que reabriu escolas públicas no final de setembro seguindo um modelo híbrido, pediu aos pais de alunos que se "preparassem" para o fechamento na segunda-feira. Com mais de 23 mil mortes registradas na metrópole, a memória dos caminhões do necrotério e das barracas erguidas em frente aos hospitais em março e abril ainda está viva.

"Teremos que fechar tudo", alertou o epidemiologista de Harvard Michael Mina na sexta-feira. "E se não fecharmos tudo ou procurarmos outra saída, o feriado de Ação de Graças levará a outra explosão massiva de casos."

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ao contrário dos confinamentos impostos pelos governadores de cada estado, insiste que a solução é distribuir as primeiras doses de uma vacina o mais rápido possível. Esta distribuição, para pessoas em risco, pode acontecer em "questão de semanas", disse Trump na sexta-feira.

Em meio ao otimismo com as notícias promissoras de uma vacina contra a covid-19, a desconfiança da população em relação à imunização pode prejudicar o produto mais eficaz, alertou a divisão de imunização da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Após o anúncio da Pfizer e da BioNTech do desenvolvimento de uma vacina "90% eficaz", resta saber se os países pobres terão acesso ao produto. O diretor da OMS pediu que qualquer "avanço científico" beneficie todos os países rapidamente.

Mais conteúdo sobre: