Política

Flávio Nogueira propõe presença de pneumologista de plantão em hospitais

No Projeto de Lei o deputado destaca ainda as consequências da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, que pode prejudicar o bom funcionamento do pulmão, rins e outros órgãos.

Andressa Martins
Teresina
- atualizado

O deputado federal Flávio Nogueira apresentou um Projeto de Lei na Câmara dos Deputados que dispõe sobre a obrigatoriedade de os hospitais de médio e grande porte disporem de pelo menos um médico pneumologista. Conforme o texto, os hospitais deverão ter um profissional especialista de plantão presencial ou em sobreaviso.

Ao justificar o projeto, Flávio Nogueira destacou que tem sido significativo o aumento de casos de doenças pulmonares crônicas no Brasil, devido a mudanças climáticas, constantes incêndios, condições insalubres de trabalho e até mesmo fatores externos como o tabagismo. A presença de um pneumologista, conforme o parlamentar, ameniza o agravante da doença e diminui os riscos de óbito em casos mais graves.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Flávio NogueiraFlávio Nogueira

O deputado também citou dados da Sociedade Brasileira de Pneumologia, que informam que 13% da população brasileira sofre de asma brônquica, doença que necessita de intervenção medicamentosa e compreende cerca de 5% dos atendimentos médicos nos serviços de emergência. Ainda de acordo com os dados, a doença é a quarta causa de hospitalização pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

“Anualmente ocorrem cerca de 350.000 internações por asma, constituindo-se na quarta causa de hospitalização pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o que corresponde a 2,3% do total de internações. Não obstante esta doença, há também, pneumonias, embolias e traumatismos torácicos - exemplos de situações que acometem desde crianças até idosos e podem apresentar real risco de morte”. justificou Nogueira.

Covid-19

No Projeto de Lei o deputado destaca ainda as consequências da covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, que pode prejudicar o bom funcionamento do pulmão, rins e outros órgãos. “Por mais que médicos de outras especialidades sejam preparados, as doenças respiratórias são uma enfermidade predominantemente pneumológica e, como tal, requer a presença do especialista para seu adequado manejo”, finalizou.

Confira o Projeto de Lei na íntegra.