Mundo

França e Irlanda ameaçam acordo se Brasil não proteger a Amazônia

Gabinete do presidente francês, Emmanuel Macron, disse que Bolsonaro mentiu sobre questão climática durante encontro do G20, em junho.

Por  Estadão Conteúdo

França e Irlanda ameaçam bloquear o acordo comercial entre União Europeia e o Mercosul, firmando em julho, caso o Brasil não tome providências para proteger a floresta amazônica.

O gabinete do presidente francês Emmanuel Macron afirmou nesta sexta-feira, 23, que o presidente Jair Bolsonaro estava mentindo quando minimizou as preocupações com a mudança climática na cúpula do G20 no Japão, em junho. Tendo em vista esse contexto, a França vai se opor ao acordo firmado entre a UE e Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai.

Na quinta-feira, 22, Macron e o secretário-geral da ONU, António Guterres, expressaram preocupação com a os incêndios florestais que devastam a Amazônia, mas Bolsonaro respondeu irritado ao que ele considera ser uma intromissão em assuntos brasileiros.

De acordo com o primeiro-ministro irlandês, Leo Vardakar, "não há como a Irlanda votar a favor do acordo entre a União Europeia e o Mercosul se o Brasil não cumprir seus compromissos ambientais". Segundo o jornal irlandês Independent, Vardakar se disse muito preocupado com as notícias sobre o nível de destruição na Amazônia.

Finlândia sugere suspensão de compra de carne

A Finlândia, que detém a presidência rotativa da União Europeia, pediu à UE que investigue a possibilidade de proibir a carne bovina brasileira em seus mercados devido à devastação causada por incêndios na floresta amazônica.

"O ministro das Finanças, Mika Lintila, condena a destruição das florestas tropicais da Amazônia e sugere que a UE e a Finlândia deveriam rever com urgência a possibilidade de proibir as importações brasileiras de carne bovina", disse o Ministério das Finanças da Finlândia em comunicado.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Alemanha declara como urgente situação na Amazônia

Governo federal cogita uso do Exército e força-tarefa para a Amazônia

Queimada na Amazônia amplia pressão mundial; Bolsonaro mantém confronto

Mais conteúdo sobre: