Teresina - PI

Justiça solta 15 presos na operação Infiltrados a pedido do Greco

“Eles foram soltos no sábado ainda porque a prisão não se fazia mais necessária”, disse o delegado Kleydson Ferreira.

Raisa Brito
Chefe de Redação
- atualizado

Quinze presos na operação Infiltrados, deflagrada pelo Greco (Grupo de Combate ao Crime Organizado), no dia 9 de maio, foram soltos pela Justiça, no último sábado (13). A decisão é do juiz Arilton Rosal Falcão Júnior e se deu após um pedido do próprio Greco. A informação foi confirmada ao GP1 pelo delegado Kleydson Ferreira, na noite desta segunda-feira (15).

“Eles foram soltos no sábado ainda porque a prisão não se fazia mais necessária”, disse o delegado. Foram soltos todos os presos que tinham mandado de prisão temporária, exceto Maria dos Remédios Alcântara Santiago, que teve a prisão convertida em preventiva.

Ainda de acordo com o delegado, medidas cautelares foram impostas aos presos: “São medidas restritivas de direito, eles vão estar afastados da função pública de policiais civis, não vão poder fazer contato entre si e vão ter que se manter distante de locais de provas de concurso público. Então, qualquer medida que eles infringirem caberá mandado de prisão”, garantiu.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Delegado  Kleydson FerreiraDelegado Kleydson Ferreira

Na sexta-feira (12), o desembargador do Tribunal de Justiça do Estado do Piauí, Pedro de Alcântara da Silva Macedo, concedeu medida liminar para revogar prisão temporária de Anderson Vasconcelos da Nobrega, policial civil preso também na operação.

Relembre o caso

A Secretaria de Segurança Pública do Piauí e a Delegacia Geral da Polícia Civil, através do Grupo de Repressão ao Crime Organizado – GRECO, Corregedoria de Polícia Civil e Diretoria de Inteligência da SSP-PI deflagraram, na terça-feira (09), a Operação Infiltrados com o objetivo de desarticular uma organização criminosa, formada por policiais civis, especializada em fraudes a concursos públicos, em especial, ao certame para Agente de Polícia Civil, realizado no ano de 2012.

Ao todo 23 mandados de prisão foram cumpridos, destes, 13 contra policiais civis que passaram no concurso alvo da investigação e 10 contra pessoas fora da polícia.

As investigações tiveram início em 2016, após a deflagração da Operação Veritas, que apurou fraude ao concurso do Tribunal de Justiça do Piauí. De acordo com a Polícia Civil, as ações foram desencadeadas nas cidades de Teresina, Campo Maior, Pedro II, São Raimundo Nonato, Fortaleza-CE e Araripina-PE, onde estão sendo cumpridos ao todo 23 mandados de prisões preventivas, temporárias, conduções coercitivas e buscas e apreensões. Até o momento foram presos 13 policiais civis e as diligências ainda não estão concluídas. Os presos estão sendo encaminhados para a sede do GRECO, Academia de Polícia Civil do Estado do Piauí (ACADEPOL) e para a sede da Corregedoria.