Brasil

Mourão faz reunião para discutir pedidos de ONGs contra o desmatamento

Coalizão formada por 230 organizações e empresas encaminhou para o governo federal um documento com seis propostas para conter a destruição na Amazônia.

Por  Estadão Conteúdo
- atualizado

Depois de 230 organizações ambientais e empresas ligadas à indústria e ao agronegócio se unirem para pedir reação do governo à devastação da Amazônia, o governo se reuniu para tratar do assunto.

O Estadão apurou que, na manhã desta quarta-feira, 16, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, que preside o Conselho da Amazônia, fez uma reunião com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e a ministra da Agricultura, Tereza Cristina. Havia ainda participação de integrantes do Itamaraty.

No encontro, discutiram as demandas reveladas na terça-feira, 15, pelo Estadão, sobre um documento elaborado pela Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura. O grupo, em uma situação rara, reúne nomes da área ambiental - como WWF Brasil, WRI Brasil, TNC, Imazon e Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) - e empresas do agronegócio e da indústria, como JBS, Klabin, Marfrig, Amaggi, Basf, Danone, Natura e Unilever.

Constantemente em posições contrárias sobre questões ambientais, todos se uniram para apresentar um pleito de seis medidas concretas para reduzir a devastação da floresta.

A conversa também mencionou um segundo documento que o governo recebeu, uma carta enviada pela Parceria das Declarações de Amsterdã. Na carta enviada a Mourão, oito países europeus dizem que o aumento do desmatamento dificulta a compra de produtos brasileiros por consumidores do continente. A parceria é formada por Alemanha (atualmente na presidência), Dinamarca, França, Itália, Holanda, Noruega e Reino Unido. Os sete países europeus dizem estar comprometidos em liminar o desmatamento das cadeias de produtos agrícolas vendidos para a Europa. A Bélgica também assinou a carta aberta.

Ao discutirem o teor do documento da coalizaão brasileira, o entendimento de Mourão e dos ministros foi de que as propostas, de alguma forma, já estariam sendo tocadas pelo governo, ou iniciadas recentemente. É o caso, por exemplo, do tema de regularização fundiária, tocado pelo Ministério da Agricultura.

A união de ONGs ambientalistas com empresas do agronegócio coloca o governo em uma situação delicada, ao tratar conjuntamente daquilo que o presidente Jair Bolsonaro mais tem repelido, as ONGs, do uma das áreas mais elogiadas, o agronegócio.

A reportagem questionou a vice-presidência da República sobre possíveis ações que pretenda tomar a partir das novas demandas que recebeu e de que forma viu a nova reação sobre a questão ambiental. Não houve resposta até a publicação deste texto.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

ONGs fazem aliança para enviar a Bolsonaro medidas contra o desmatamento

'Parte do mundo tem visão distorcida sobre desmatamento ilegal', diz Mourão

Mourão relaciona alta nos preços de alimentos ao pagamento do auxílio

Mais conteúdo sobre: