Saúde

Piauí está entre os estados com surto de sarampo, diz ministério

O Ministério da Saúde ainda aponta que as crianças são as mais suscetíveis às complicações e óbitos por sarampo.

Davi Fernandes
Teresina
Victória Xavier
Teresina
- atualizado

O Ministério da Saúde divulgou nesta sexta-feira (13), um boletim que mostra que o estado do Piauí está entre os 16 estados com surto ativo de sarampo. No total, no país inteiro, já foram registrados 3.339 casos da doença.

Conforme o ministério, o atual boletim aponta a notificação de 24.011 casos suspeitos, sendo que 17.713 (73,8%) estão em investigação e 2.957 (12,3%) foram descartados. Os casos confirmados, neste último levantamento, representam 89% do total de 2019. Não houve novos registros de óbitos.

O caso de sarampo no Piauí foi registrado no município de Campo Grande do Piauí, mas não é próprio do estado. Trata-se do caso importado da doença, pois a paciente, que é uma bebê de 1 ano, foi infectada pelo vírus durante um passeio no estado de São Paulo.

Além do Piauí, os outros estados que possuem casos confirmados são: São Paulo (3.254), seguido do Rio de Janeiro (18), Pernambuco (13), Minas Gerais (13), Santa Catarina (12), Paraná (7), Rio Grande do Sul (7), Maranhão (3), Goiás (3), Distrito Federal (3), Mato Grosso do Sul (1), Espírito Santo (1), Rio Grande do Norte (1), Bahia (1) e Sergipe (1).

O Ministério da Saúde ainda aponta que as crianças são as mais suscetíveis às complicações e óbitos por sarampo. A incidência de casos em menores de 1 ano é 9 vezes maior em relação à população em geral. A cada 100 mil habitantes, 52 crianças nessa faixa etária obtiveram confirmação para o sarampo.

A segunda faixa etária mais atingida é de 1 a 4 anos. Esses dados do boletim epidemiológico elevam atenção para ações mais pontuais para este público. Neste ano, foram confirmados quatro óbitos por sarampo: três óbitos ocorreram em menores de 1 ano de idade; e um óbito em um indivíduo de 42 anos. Nenhuma das vítimas havia se vacinado contra a doença.

Mais conteúdo sobre: