GP1

Cabo de Santo Agostinho - Pernambuco

Professora é morta por não cumprir ordem de traficantes em Pernambuco

A docente Edna Fonseca estava passeando com seu cachorro, que também foi morto pelos criminosos.

Uma professora identificada como Edna de Souza Fonseca, de 63 anos, foi assassinada a tiros enquanto passeava com seu cachorro perto de casa, na cidade de Cabo de Santo Agostinho, na Grande Recife, Pernambuco. O crime aconteceu no último domingo (05) e o cão da vítima também foi baleado e morreu.

Um dos suspeitos, de apenas 15 anos, foi apreendido no dia seguinte e confessou o crime contra a professora. Segundo a Polícia Civil, ele alegou que acreditava que a professora estava repassando informações sobre o tráfico de drogas na região para a polícia, já que ela tinha câmeras de segurança em sua residência.

Foto: ReproduçãoEdna Fonseca
Edna Fonseca

Testemunhas relataram que no dia do crime eles exigiram que ela retirasse o circuito de câmeras de sua residência, alegando que o monitoramento estava impedindo a ação na região. Edna, por sua vez, não atendeu a demanda dos traficantes.

A execução aconteceu quando a professora estava passeando com seu animal de estimação. Ao sair pela rua Aurora, no centro da cidade, ela foi seguida por dois homens que estavam a pé. Os disparos aconteceram na rua Coronel Cysneiros, ao lado da rua em que a vítima morava e a 200 metros de distância de um Batalhão da Polícia Militar. Edna de Souza foi baleada na cabeça e não resistiu ao ferimento. O cachorro também foi baleado e morreu, tendo perfurações no tórax.

Em nota, a Polícia Militar garantiu que vai intensificar as rondas na região do crime. “O policiamento no Cabo de Santo Agostinho é feito pelo 18BPM, por meio de guarnições táticas, diuturnamente, com apoio de viaturas de equipes do Contra Resposta, do Grupo Tático Itinerante e da Operação Conquista”, diz a corporação.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.