GP1

Nova Santa Rita - Piauí

Homem depreda igreja após pedir R$ 300 mil em Nova Santa Rita

O padre Carlindo Ribeiro Filho informou ao GP1 que as ameaças tiveram início no dia 2 de setembro.

Uma igreja católica foi depredada e teve objetos destruídos na tarde desta quarta-feira (11), no município de Nova Santa Rita, após um homem não identificado ameaçar o padre do local e tentar obrigá-lo a depositar R$ 300 mil em sua conta bancária.

Em entrevista ao GP1, o padre Carlindo Ribeiro Filho informou que as ameaças tiveram início no domingo, 1 de setembro, quando o suspeito foi até a igreja e ameaçou destruir o local.

  • Foto: DivulgaçãoUm dos materiais destruídos.Um dos materiais destruídos.

“Foi domingo agora, por volta do meio dia, ele voltou de novo para a porta da igreja fazendo várias ameaças, inclusive ele disse que dia 14, se não fosse depositado R$ 300 mil na conta dele, ele ia voltar a igreja e fazer a ‘bagaceira’ lá mesmo, ia quebrar tudo. Como de fato, ontem, ele veio, arrombou a porta da igreja e quebrou tudo”, relatou.

Ainda segundo o padre Carlindo Ribeiro, além da ameaça contra a igreja, o suspeito já ameaçou de morte a família do prefeito da cidade e crianças de uma escola que ele invadiu.

“A gente tem dele relato de outras ações aqui na cidade, inclusive ameaça de morte ao prefeito e a família do prefeito, que já passou um período de muito sufoco com ele. E as crianças também, que ele disse querer matar as crianças. Até um tempo atrás, ele colocou em pânico a escola, ameaçando de morte as crianças, nesse período eu não morava aqui na cidade, mas foi um período de turbulência aqui, sobretudo, no colégio. Os pais ficaram com medo de mandar os seus filhos para a escola por medo dele cometer algum ato de loucura”, informou.

Após o ocorrido, o caso foi encaminhado para a polícia, que vai iniciar buscas para localizar o suspeito.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.