GP1

Teresina - Piauí

Criança de 3 anos com leucemia precisa de doador de medula em Teresina

Maria Helena foi diagnosticada em janeiro deste ano, e desde então aguarda por um doador compatível.

No dia 05 de janeiro deste ano a pequena Maria Helena, de 3 anos, foi diagnosticada com leucemia linfoide aguda, e desde então aguarda por um doador compatível de medula óssea. Nesses quase 10 meses de espera, a criança, que reside com a família em Teresina, já passou por várias internações e situações delicadas, na luta pela vida. O GP1 conversou nesta quarta-feira (20) com Micheilane Farias, mãe de Maria Helena, que fez um apelo para que as pessoas se cadastrem no banco nacional de doadores de medula.

A mãe conta que logo após o diagnóstico a filha ficou internada por 51 dias no Hospital São Marcos, onde é feito o tratamento. Na internação mais recente, apareceram nódulos no pulmão de Maria Helena. “A primeira internação durou 51 dias e de lá pra cá tivemos algumas intercorrências, não foram poucas, na penúltima internação ela pegou pneumonia, passou 21 dias internada e na última internação apareceram uns nódulos no pulmão”, afirmou.

Foto: Reprodução/InstagramMaria Helena
Maria Helena

Micheilane Farias relatou que Maria Helena teve o pulmão perfurado em uma tomografia guiada, e depois de algumas intercorrências acabou contraindo duas bactérias. “Tiveram que fazer uma tomografia guiada e nesse procedimento ocorreu a perfuração do pulmão. Ela precisou ser entubada e levada para o centro cirúrgico para colocar um dreno, passamos sete dias na UTI e quando ela ia sendo liberada, deu um colapso, ficou sem respirar e foi para o oxigênio, então foi constatado que ela tinha contraído duas bactérias”, explicou a mãe da criança.

A mãe, o pai e um meio-irmão de Maria Helena já fizeram exames e não são compatíveis para serem os doadores de medula. “O que mais precisamos agora é desse doador compatível, eu e o pai dela fizemos o exame e não demos compatível, ela tem um meio-irmão que também não foi compatível, e a gente está apelando para que as pessoas possam se cadastrar para serem doadoras de medula óssea”, ressaltou.

“Uma luta constante”

Foto: Reprodução/InstagramMaria Helena precisa de um doador de medula compatível
Maria Helena precisa de um doador de medula compatível

Micheilane enfatizou que a dor da mãe ou do pai de uma criança com leucemia é imensurável. “É uma luta constante, sabemos que é um tratamento longo e doloroso, sabemos que o cabelo cai, mas quando isso acontece perto da gente, a gente vê que é uma dor que não se consegue mensurar, ainda mais com uma criança tão pequenininha”, desabafou a mãe.

Como se tornar um doador de medula

Para se tornar um doador de medula óssea é necessário ter entre 18 e 35 anos de idade, estar em bom estado de saúde, não ter doença infecciosa ou incapacitante e não apresentar doença neoplásica (câncer), hematológica (do sangue) ou do sistema imunológico. Algumas complicações de saúde às vezes não impedem a doação, mas cada caso é analisado particularmente.

Quem preencher esses requisitos precisa se cadastrar em qualquer hemocentro, no caso do Piauí, o cadastro pode ser feito nas unidades do Hemopi: Teresina, Picos, Parnaíba e Floriano.

Foto: Lucas Dias/GP1Hemopi
Hemopi

Feito o cadastro, será colhida uma pequena amostra de sangue (5 ml), e assim a pessoa passará a constar no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome), que possui cooperação com bancos de doadores de outros países. Isso significa que, ao se cadastrar como doador de medula óssea, a pessoa poderá ser compatível com alguém no Brasil ou com outro paciente que estiver precisando de um transplante em países da América do Sul, Estados Unidos e Europa.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.