GP1

Campo Maior - Piauí

Homem que matou esposa é condenado a 17 anos de prisão no Piauí

A decisão foi dada pelo juiz de direito Múccio Miguel Meira, da 1ª Vara da Comarca de Campo Maior.

O juiz Múccio Miguel Meira, da 1ª Vara da Comarca de Campo Maior, condenou nesta sexta-feira (22), José Roberto Costa dos Anjos, a 17 anos e seis meses de prisão pelo feminicídio contra sua companheira, Maria Caroline Macena da Costa, de 38 anos, que foi assassinada com um tiro no pescoço, no dia 12 de janeiro de 2020.

Na decisão, o magistrado pontuou que o réu possui periculosidade pela forma como realizou o crime, também por já responder por outro homicídio e por ter sido preso após tentar empreender fuga e não ser localizado pelo seu crime.

Foto: Divulgação/WhatsAppJosé Aberto e Maria Caroline
José Aberto e Maria Caroline

“A forma como o crime ocorreu demonstra nocivo sentimento de posse e subjugação sobre a vítima, constatando-se a periculosidade no caso concreto. Há ainda apontamentos de que este não é o primeiro crime de homicídio que o acusado cometeu, tendo ele próprio, na primeira etapa do seu interrogatório, admitido a prática de crime no Maranhão. De mais a mais, as circunstâncias da prisão fazem presumir que o acusado buscava a fuga logo após os fatos que ora se apuram. Deve, portanto, ser mantido preso para assegurar a garantia da ordem pública e a aplicação da lei penal”, diz trecho da sentença.

Relembre o caso

Uma mulher identificada por Maria Caroline da Costa, de 38 anos, foi assassinada com um tiro no pescoço na cidade de Campo Maior. O crime foi realizado pelo seu companheiro.

Segundo a Polícia Civil, o crime aconteceu pela madrugada, mas a polícia só foi acionada pela manhã e encontraram a vítima, sem vida, dentro da própria residência. No corpo da vítima, havia marcas de agressão e uma perfuração, causada pelo disparo.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.