GP1

Teresina - Piauí

PF deflagra Operação Bucaneiro contra organização criminosa no Piauí

A quadrilha é acusada de roubar um navio com carga de cigarros contrabandeados em Cajueiro da Praia.

A Polícia Federal deflagrou, nas primeiras horas da manhã desta quinta-feira (07), a “Operação Bucaneiro”, com o objetivo de investigar uma organização criminosa responsável pelo furto de um navio cargueiro que foi apreendido em agosto de 2020, no município de Cajueiro da Praia, no litoral piauiense, com uma carga de cigarros contrabandeados avaliada em R$ 5 milhões.

De acordo com a Polícia Federal, cerca de 90 policiais federais cumpriram nesta manhã nove mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao grupo criminoso nas cidades de Luís Correia, Tutóia-MA, Abaetetuba-PA e Belém-PA.

Foto: Divulgação/PF PIMandados de busca e apreensão foram cumpridos em três estados
Mandados de busca e apreensão foram cumpridos em três estados

Investigações

As investigações apontaram que os contrabandistas, que eram do município de Abaetetuba-PA, se deslocaram para o litoral piauiense em dezembro de 2020 com o propósito de levar o navio com a carga e se associaram com barqueiros de Luís Correira para a prática criminosa.

O trabalho de investigação verificou que eles conseguiram entrar, na madrugada do dia 24 de dezembro de 2020, no Porto do Trapiche, onde estava o navio e conseguiram retirar as âncoras e cordas que atracavam a embarcação. Eles roubaram o navio e seguiram rota marítima com destino ao Pará, no entanto, abandonaram o barco no município de Tutóia/MA.

Foto: Reprodução/WhatsAppCarga de cigarros ao mar
Carga de cigarros ao mar

Os investigados poderão responder pelos crimes de associação criminosa e furto qualificado (Art. 288 e art. 155, §§1º e 4º, inciso II, do Código Penal).

Bucaneiro

A PF informou que o nome “Bucaneiro” remete à atuação de piratas.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.