GP1

Teresina - Piauí

Materluz Parto Humanizado faz esclarecimentos sobre morte de Kiki Freitas

Segundo o serviço de apoio ao parto normal, no fim do trabalho de parto ela apresentou sinais de embolia.

A Materluz Parto Humanizado, que estava acompanhando a gravidez da odontóloga Kiki Freitas, se manifestou na tarde desta quarta-feira (21), e lamentou a morte da filha do ex-governador do Piauí, Freitas Neto.

Em nota, a MaterLuz informou que sua equipe foi acionada por Kiki Freitas pela manhã, para acompanhamento do trabalho de parto que se iniciava espontaneamente.

“Logo seguimos para a maternidade, onde sua médica obstetra já se encontrava à postos. O parto transcorreu de forma rápida, sem anestésicos ou uso de quaisquer outras medicações ou demais intervenções”, diz trecho da nota.

Ainda com acordo com o serviço de apoio ao parto normal, no fim do trabalho de parto a paciente apresentou sinais de embolia. “A paciente apresentou ao final do trabalho de parto, sinais clínicos de embolia. Prestamos, junto à equipe da maternidade, todas as condutas necessárias, porém, sem êxito, resultando em lamentável infortúnio”, acrescentou.

Por fim, o grupo pediu orações para o bebê e para a família de Kiki Freitas. "Neste momento de profunda dor, pedimos orações e nos solidarizamos com toda a família de Kiki, em especial ao seu esposo Felipe".

Confira a nota na íntegra

Como transformar nosso pesar em palavras?

Em nossa missão de prestar assistência de forma profissional e humanizada, aprendemos cotidianamente que somos pequenos diante dos desígnios de Deus.

A cada parto construímos laços eternos de amizade e respeito com as famílias. É assim que formamos a família Materluz.

A fim de reduzir especulações e quem sabe trazer paz à família e amigos, viemos nesse momento esclarecer alguns pontos.

Na manhã de 21/07/2021, a paciente Maria Cristina Freitas acionou nossa equipe para o acompanhamento do trabalho de parto que se iniciava espontaneamente. Logo seguimos para a maternidade, onde sua médica obstetra já se encontrava à postos. O parto transcorreu de forma rápida, sem anestésicos ou uso de quaisquer outras medicações ou demais intervenções.

A paciente apresentou ao final do trabalho de parto, sinais clínicos de embolia (uma emergência obstétrica).

Prestamos, junto a equipe da maternidade, todas as condutas necessárias, porém, sem êxito, resultando em lamentável infortúnio.

Por conta do quadro materno, o bebê também nasceu em estado grave, e encontra-se em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal.

Acostumadas a ver nascer, renascer e transformar, por vezes nos deparamos com o pesar.

Por isso, neste momento de profunda dor, pedimos orações e nos solidarizamos com toda a família de Kiki, em especial ao seu esposo Felipe.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.