GP1

Barras - Piauí

Pedida quebra do sigilo bancário e cassação do prefeito Edilson Capote

Em nota, o prefeito disse que essa ação não atrapalha o seu trabalho na administração de Barras.

O Ministério Público Eleitoral no Piauí, através do promotor Silas Sereno Lopes, ajuizou Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) no dia 26 de fevereiro deste ano contra o prefeito de Barras, Edilson Capote, e sua vice Cynara Cristiana, que estão sendo acusados de abuso de poder econômico e compra de votos. Nessa ação é pedida a quebra do sigilo bancário dos denunciados, além da cassação dos diplomas do prefeito e da vice.

Também foram denunciados os vereadores Roberto Rene Lages Veras, Jovelina Furtado Castro, Antonio Leite Neto, Irlandio Sales dos Santos, Maria da Solidade Alves da Cunha e José do Nascimento Cavalcante.

O GP1 teve acesso com exclusividade ao processo, que tramita na 6ª Zona Eleitoral de Barras. Nessa reportagem, vamos detalhar todo o esquema do qual o prefeito e os demais citados estão sendo acusados.

Dentre as provas apresentadas pelo Ministério Público, estão trechos de conversas de alguns dos envolvidos no processo.

Festa e compra de votos

De acordo com a denúncia, no dia 09 de janeiro de 2020, Edilson Capote promoveu festa de enormes proporções com presença de aproximadamente três mil pessoas, equivalente a mais de 5% da população, número estimado pelo próprio investigado em declarações prestadas na sede da Promotoria de Justiça de Barras.

Foto: Reprodução/FacebookEdilson Capote
Edilson Capote

Além disso, consta que Capote explorou positivamente sua imagem ao condicionar a entrada ao evento à doação de um quilo de alimento não perecível, fato que lhe possibilitou a arrecadação de três mil cestas básicas/quilos de alimentos e, consequentemente, a distribuição do alimento junto à população em geral e a potenciais eleitores.

Durante o processo eleitoral, o Ministério Público foi comunicado sobre esquema de compra de apoio político operado por Edilson Capote e por seus apoiadores. “O esquema, segundo relatado, consistiria na 'compra' da liderança política para apoio e transferência de voto: as investigações confirmaram boa parte das informações iniciais bem como variados tipos de ilícitos eleitorais, inclusive crimes de corrupção eleitoral, transporte ilegal de eleitores entre outros”, diz trecho da denúncia.

O juiz da 98ª Vara de Teresina determinou expedição de mandados de interceptação telefônica e de busca que foram de fundamental importância na apuração, alcance e entendimento da teia ilícita montada por Edilson Capote, por seus apoiadores bem como pelos demais investigados.

Abuso de poder econômico

“Foi constatada intensa prática de abuso de poder econômico perpetrado pelos investigados, de variadas formas, estratégica e hierarquicamente ordenada, no 'varejo' e também com cooptação de lideranças políticas e comunitárias e com distribuição de dinheiro feita por Edilson Capote, por intermédio do seu irmão, Wilson Sérvulo de Sousa, para os investigados Roberto Renê Lages Veras (vereador em busca de reeleição), Jovelina Furtado (vereadora em busca de reeleição), Antônio Leite Neto (vereador em busca de reeleição), com operacionalização de caixa dois, entrega de combustível, promessa de cargos para eleitores e apoiadores, transporte de eleitores feita em massa, inclusive vindos de outros municípios como Teresina e União, compra de medicamento, utensílios domésticos”, apontou o Ministério Público.

Segundo o promotor Silas Sereno, Edilson Capote tomou muitas cautelas para não ser flagrado em áudios de interceptação telefônica, contudo, nada impediu a constatação de sua participação evidente em decorrência do conjunto de ações ilícitas operadas por seus apoiadores diretos e próximos, pois, 'a esposa/companheira do prefeito eleito, Edilson Sérvulo, senhora Edineida teve celular apreendido em cumprimento de mandado de busca e apreensão e, a partir da extração dos dados há importante prova de abuso de poder econômico consistente em dispêndio de vultoso valor para compra de combustível'”.

Dívida com posto de combustíveis

É relatado ainda que uma mulher de nome Socorro, funcionária de um posto de gasolina, no dia 18 de novembro de 2020, solicitou o pagamento de R$ 47 mil, como consta em imagem extraída do celular da esposa/companheira de Capote.

O Ministério Público também apontou a existência de mensagens trocadas sobre notas de combustível, sendo que em uma delas, uma pessoa de nome Edineida diz que Capote está devendo muito combustível e solicita o depósito “daquele negócio” com posterior exclusão da resposta dada pela futura primeira dama do município de Barras.

“Estranha e criminosamente, na prestação de contas do investigado não apresenta um centavo de real com despesa de combustível”, destacou o promotor Silas Sereno.

Envolvimento do irmão de Capote

Em relação a Wilson Sérvulo, consta que ele deixou sua residência em Brasília, local em que é empresário do setor automotivo, e passou a residir em Barras nos meses que antecederam as eleições de 15 de novembro. Um apartamento de Wilson Sérvulo estava à venda no período eleitoral pelo preço de R$ 900 mil.

“Certo é que teve intensa, direta e fundamental participação no esquema ilícito, percorreu a cidade e “comprou” apoio bem como forneceu dinheiro a candidatos a vereador da coligação”, afirmou o Ministério Público.

Em uma conversa no dia 10 de novembro, às 12h26, Wilson Sérvulo disse que: “Não, tá precisando... Eu já falei com ela aqui, para vir deixar um dinheirinho pra ela aqui à noite, já combinei com ela aqui, ela tá aqui comigo no carro aqui, no carro, aí quando chegar a gente vem aqui deixar um negócio pra ela, mas ela já arrumou o pessoal tudinho, já arrumou o pessoal já, arrumou”. Essa conversa, segundo o Ministério Público, trata de “fechar” o Santinho (alusão ao maior e mais populoso bairro de Barras).

Ficou evidenciado o receio dos interlocutores de serem flagrados no cometimento do ilícito eleitoral e tratam de forma velada sobre distribuição de dinheiro no dia da eleição no período da manhã.

Além disso, a busca e apreensão realizada pela Polícia Federal com ordem judicial e a respectiva apreensão de aparelhos de telefonia móvel revelou que vereadores recebiam dinheiro em espécie entregue por Wilson Sérvulo, o qual agia sob o comando de Edilson Capote. “A comprovação dessa ilicitude provém de mensagens contidas nos aparelhos de telefone celular dos impugnados Jovelina Furtado e Antônio Leite e/ou pessoas próximas a estes dois candidatos a vereadores conforme exposto mais adiante”, diz trecho.

Cristina Lages e Roberto Rene

O Ministério Público relatou que a vice-prefeita eleita, Cynara Cristina Lages Veras, operou ilicitamente em conjunto com seu marido Roberto Rene Lages Veras com intenso dolo de violar as leis eleitorais.

“Cynara Lages prometeu cargo a eleitores, fala de 'ajudinha' se referindo a dinheiro, diz que não pode falar ao telefone com medo de ser 'grampeada' e articula transporte de eleitores com utilização de ônibus”, apontou a denúncia.

Roberto tinha a incumbência de fazer depósitos nas contas dos eleitores, Cynara Lages deixa evidente o modus operandi do casal conforme diálogo do dia 09 de novembro de 2020 em que a vice-prefeita eleita diz que precisa dar o dinheiro e que tudo estava acertado, que Roberto fez ou ia fazer os depósitos na lista que havia repassado para Roberto depositar, ou seja, a requerida fez uma lista de eleitores para o marido e candidato Roberto Veras depositar dinheiro em troca de voto.

Conversas transcritas

Para o Ministério Público, ficou plena a certeza de que o líder do grupo, Edilson Sérvulo de Sousa, se acautelou para não ser preso na posse de objetos suspeitos e comprometedores ao tirar até “as moedas de casa”.

Confira abaixo a transcrição da conversa ou clicando aqui:

Foto: ReproduçãoConversa falando de Edilson Capote
Conversa falando de Edilson Capote

Jovelina Furtado

Jovelina Furtado atuou intensamente na corrupção, oferecimento e entrega de vantagens econômica/financeira/material em troca de votos.

Consta que no dia 12 de novembro, Jovelina prometeu quitar uma multa de um eleitor e que os elementos mais contundentes foram colhidos no aparelho de telefonia móvel da demandada. São muitos elementos indicativos do oferecimento de vantagem para eleitores e flagrante abuso de poder econômico e de captação ilícita de sufrágio.

Confira abaixo uma das conversas de Jovelina ou clicando aqui:

Foto: ReproduçãoConversa de Jovelina
Conversa de Jovelina

Antônio Leite

Sobre Antônio Leite Neto, consta que ele usava conta para fazer “pagamento” de compra de votos, pedindo reserva e se apresentando temeroso em ser flagrado nos ilícitos e que teve no seu neto, Antônio Victor Miranda Rego, o braço operacional das irregularidades.

“É com pesar que se constata a prática da corrupção eleitoral ser transmitida das gerações mais antigas para as mais novas. Aquele que devia servir de bom exemplo conduz à ilicitude a força nova da geração que se inicia na vida civil e eleitoral”, lamentou o promotor Silas Sereno.

Foi relatado ainda que no dia 11 de novembro em conversa com uma mulher não identificada, Antônio Leite combinou o transporte de eleitores para a cidade de Barras com o objetivo de viabilizar a obtenção de votos.

Irlândio Sales e José do Nascimento Cavalcante

Foi relatado que no dia 11 de novembro, Irlândio Sales foi flagrado prometendo R$ 100,00 a uma eleitora de nome Francisca e mais R$ 100,00 a outro eleitor para a compra de combustível.

“Irlândio compra cimento para eleitor em claro abuso de poder econômico e captação ilícita de sufrágio conforme diálogo a seguir transcrito: Silvio –“Ei Irlândio tu já ajeitou o cimento da muié?” – Irlândio -“Já tô quase...aqui na loja, num fala esses nomes eu tô com aquele”. Há outros tantos diálogos interceptados com ordem judicial comprovadores de“ajudas”a eleitores”, argumentou o promotor na denúncia.

José do Nascimento Cavalcante, conhecido como Zé do Pó, também, segundo o Ministério Público, integrou a base de correligionários de Edilson Capote, agiu, acintosamente na compra de votos e captação ilícita de sufrágio.

“Como exemplo da entrega de vantagens aos eleitores e abuso de poder econômico, pode-se citar a conversa travada com Cristiane da Cachoeira, em 10/11/2020, às 12h38, na qual a eleitora pede que o candidato lhe dê cimento, sendo que este afirma que “vai dar certo”, bem como conversa do dia 11/11/2020, às 09h07, “Zé do Pó” conversou com eleitora, e diz que vai “deixar um negócio com ela””, detalhou o promotor.

Pedidos

O promotor pediu a quebra do sigilo bancário dos investigados e de outras pessoas envolvidas: Edilson Capote, Cynara Lages, Roberto Rene Lages Veras, Maria da Solidade Alves da Cunha, Jovelina Furtado Castro, Antonio Leite Neto, Irlândio Sales dos Santos e José do Nascimento Cavalcante, Raimundo Wilson Sérvulo de Sousa, João Victor Miranda Lages, Scharlet Horrana Rodrigues Lages, Maria Gizelda Miranda Lages e Rosana Alves Calista.

Ao final foi pedido que a ação seja julgada procedente com a cassação dos diplomas do prefeito e da vice, Edilson Capote e Cynara Lages, e dos vereadores Roberto Rene Lages Veras, Maria da Solidade Alves da Cunha, Jovelina Furtado Castro, Antonio Leite Neto, Irlândio Sales dos Santos e José do Nascimento Cavalcante, além da decretação da inelegibilidade e a invalidação dos votos dados aos candidatos alvos da ação.

Outro lado

Procurada nessa terça-feira (06), a assessoria de comunicação da Prefeitura de Barras informou que o processo está tramitando normalmente.

Confira abaixo a nota na íntegra:

Este processo está tramitando no seu curso normal e o prefeito Edilson Capote respeita e confia nas decisões judiciais! Contudo essa ação não atrapalha o trabalho do prefeito na administração de Barras, que segue fazendo obras e melhorando a vida da população!

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.