GP1

Piauí

“Não pactuamos com qualquer ato de corrupção”, diz Wellington Dias

O governador do Piauí lamentou o que ele chamou de “espetacularização” em torno da operação da Polícia Federal deflagrada contra a Sesapi.

O governador Wellington Dias (PT) se pronunciou na noite desta terça-feira (12) sobre a Operação Campanile, deflagrada pela Polícia Federal na manhã de hoje e que teve como alvo a Secretaria de Estado da Saúde do Piauí (Sesapi). O chefe do executivo estadual disse que a ação foi “lamentável” e assegurou que não pactua com qualquer ato de corrupção.

Questionado por jornalistas no Palácio de Karnak, Wellington lamentou o que ele chamou de “espetacularização” em torno da operação da PF. “Lamentável, basta ver que logo após a operação encaminharam aquilo que era normal de fazer, um pedido de informação, eu lamento profundamente essa espetacularização que a gente tem nesta área”, afirmou.

Foto: Marcelo Cardoso/GP1Wellington Dias
Wellington Dias

Ainda segundo o governador, o Poder Executivo Estadual sempre colaborou com toda e qualquer investigação. Wellington destacou ainda que não pactua com corrupção. “Muitas vezes se realizam operações como essa de hoje sem qualquer necessidade, vai em uma operação para pegar o celular, um computador, que se tivessem requerido a gente teria entregue na mesma hora, como sempre fizemos, como colaboradores. Não pactuamos com qualquer ato de corrupção e sempre fomos colaboradores tanto do judiciário como das áreas de investigação”, finalizou.

Operação Campanile

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça (12) a fase ostensiva da Operação Campanile e deu cumprimento a 18 mandados de busca e apreensão em Teresina e mais quatro cidades em endereços ligados a Sesapi. A investigação apura fraudes em processos de dispensa de licitação com recursos destinados ao combate ao novo coronavírus.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.