GP1

Política

"Estou tranquilo e colaborando com o trabalho da PF", diz Valter Alencar

Foram realizadas buscas e apreensões na sede do PSC, no portal Clube Sat e no escritório de Valter Alencar.

O advogado Valter Alencar enviou uma nota de esclarecimentos na manhã desta sexta-feira (28) sobre a Operação Tris in Idem, deflagrada pela Polícia Federal. A PF cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao advogado, que também é pré-candidato a prefeito de Teresina. Valter informou que está colaborando com a polícia.

Foram realizadas buscas e apreensões na sede do PSC, no portal Clube Sat e no escritório de Valter Alencar. Na nota, o advogado diz que não é sócio do portal Clube Sat e que a investigação se trata de uma ramificação das investigações que estão ocorrendo no Governo do Rio de Janeiro, cujo governador Wilson Witzel é do mesmo partido político de Alencar.

  • Foto: Alef Leão/GP1Valter Alencar Valter Alencar

O advogado explica ainda que deixou o cargo de assessoria no Governo Witzel por decisão própria e que está “tranquilo e colaborando com o trabalho da polícia”, que segundo ele “visa combater a corrupção no Brasil em um momento tão complicado de pandemia”.

Confira a nota na íntegra:

Valter Ferreira de Alencar Pires Rebelo, presidente estadual do Partido Social Cristão (PSC-PI), vem informar através de nota que foi realizada uma operação padrão de busca e apreensão da Polícia Federal na sede do partido PSC, no Piauí. Assim como no Portal de notícias Clube Sat, apesar de não existir qualquer tipo de ligação societária com esse noticiante. Tal operação trata-se de uma ramificação das investigações que estão ocorrendo no Governo do Rio de Janeiro, que é do mesmo partido político. Cabe ressaltar que ocupei um cargo de assessoria no governo de Witzel, no qual estou há mais de um ano afastado, por decisão minha, e por esse motivo a Polícia Federal está cumprindo protocolos no estado do Piauí. Estou tranquilo e colaborando com o trabalho da polícia, que visa combater a corrupção no Brasil, em um momento tão complicado de pandemia. Confio na Justiça e no meu direito de defesa.

Desvio de recursos destinados ao combate da covid-19

A Operação "Tris in Idem" deflagrada na manhã de hoje pela Polícia Federal e pela Procuradoria Geral da República, com apoio da Receita Federal, tem o objetivo de desarticular organização criminosa voltada ao desvio de recursos públicos, especialmente em contratos firmados para gestão de saúde e para o combate à pandemia da covid-19.

A operação de hoje decorre da Operação Placebo, deflagrada no mês de maio deste ano a partir de elementos colhidos em outra operação, a Operação Favorito, deflagrada pela PF, no mesmo mês, voltada para apurar atos de corrupção na prestação de serviços de implantação de leitos em hospitais de campanha e no fornecimento de ventiladores pulmonares e medicamentos.

A PF ainda informou que com o prosseguimento das investigações, novos elementos de prova foram obtidos, que fundamentaram a representação por novas medidas cautelares junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Wilson Witzel é afastado do cargo

O Superior Tribunal de Justiça decidiu afastar o governador do Rio Wilson Witzel do cargo, em razão de supostos desvios da Saúde do Estado. A corte determinou ainda a prisão do pastor Everaldo, presidente do PSC e do ex-secretário de Desenvolvimento Econômico Lucas Tristão, todos citados na investigação da Operação Placebo.

Além dos mandados de prisão expedidos por ordem do ministro Benedito Gonçalves, relator da Operação Placebo no STJ, a Polícia Federal faz buscas contra a primeira-dama Helena Witzel e André Ceciliano, presidente na Assembleia Legislativa do Rio.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

PF cumpre mandados no portal Clube Sat e na sede do PSC em Teresina

STJ afasta Wilson Witzel do Governo do Rio e manda prender pastor Everaldo

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.