GP1

Saúde

Adolescentes podem tomar vacina após adultos, diz Ministério da Saúde

Ministério da Saúde, Conass e Conasems aconselham Estados e municípios a seguirem ordem decrescente.
Por Estadão Conteúdo

Adolescentes de 12 aos 17 anos poderão receber vacinas contra a covid-19 assim que Estados e municípios terminarem de aplicar ao menos a 1ª dose nos grupos prioritários definidos pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI). A nova orientação foi emitida na noite desta terça-feira, 27, em nota conjunta assinada pelo Ministério da Saúde, pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e pelo Conselho de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems).

No documento, os três órgãos orientam que, uma vez esgotados os grupos prioritários, a campanha de vacinação contra a covid-19 deve seguir critério decrescente de idade. Adolescentes dos 12 aos 17 anos poderão ser imunizados quando todos os adultos acima dos 18 anos tiverem recebido ao menos uma dose, com preferência para aqueles que tenham alguma comorbidade já prevista no PNI.

Em São Paulo, a administração estadual prevê que esse público comece a ser vacinado em 23 de agosto. De acordo com o governador João Doria (PSDB), a estimativa é que os 3,2 milhões de adolescentes do Estado recebem a primeira dose até 30 de setembro.

Adolescentes com comorbidade serão vacinados entre 23 de agosto e 5 de setembro. De 6 a 19 de setembro, será a vez dos que têm entre 15 e 17 anos, sem comorbidades; a faixa etária dos 12 aos 14 anos receberá a vacina de 20 a 30 de setembro.

Até o momento, a única vacina contra a covid que tem autorização da Anvisa para ser aplicada em adolescentes a partir dos 12 anos no Brasil é a da Pfizer. O aval foi concedido em junho, após o laboratório apresentar estudos que indicaram a segurança e eficácia da vacina para este grupo, segundo a agência.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.