GP1

Brasil

Justiça Federal manda prender ex-ministro José Dirceu

O mandado de prisão foi expedido nesta quinta-feira (17).

A juíza federal substituta na 13ª Vara Federal de Curitiba, Gabriela Hardt, mandou prender ex-ministro da Casa Civil José Dirceu (PT). A magistrada, em substituição ao juiz Sérgio Moro que está viajando aos Estados Unidos, decidiu que o ex-ministro deve se apresentar à Polícia Federal até às 17h desta sexta-feira (18). O petista foi condenado a 30 anos e 9 meses de prisão na Operação Lava Jato.

O mandado de prisão foi expedido nesta quinta-feira (17).

  • Foto: Dida Sampaio/Estadão ConteúdoEx- ministro do Governo Lula, José DirceuEx- ministro do Governo Lula, José Dirceu

A magistrada tomou a decisão após receber notificação do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) sobre o julgamento que negou, por unanimidade, o último recurso de Dirceu ao tribunal de segunda instância.

Na decisão dada nesta quinta-feira (17), a juíza diz que os detalhes a respeito da entrega deverão ser acertados pela defesa de José Dirceu diretamente com a PF.

Condenação

O ex-ministro foi condenado pelos crimes de corrupção passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro em um processo que investiga irregularidades na diretoria de Serviços da Petrobras. Ele foi acusado pela Lava Jato de receber dinheiro de empresas que prestavam serviços à estatal.

A defesa de Dirceu ainda pode recorrer contra a condenação nos tribunais superiores: o STJ e o STF. O prazo é o de 15 dias.

Atualmente, Dirceu está liberdade, monitorado por tornozeleira eletrônica.

MATÉRIAS RELACIONADAS

TRF-4 nega último recurso do ex-ministro José Dirceu

TRF-4 nega recurso e mantém pena de José Dirceu na Lava Jato

Ex-ministro José Dirceu vira réu pela 3º vez na Lava Jato

Justiça aumenta pena de José Dirceu e absolve Vaccari na Lava Jato

José Dirceu é condenado mais uma vez na Operação Lava Jato

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.