Advogado e vereador fazem conluio para cassar prefeito Manoel Lázaro

- atualizado

O GP1 teve acesso a um áudio que revela o conluio feito por um advogado de Nossa Senhora dos Remédios para cassar o atual prefeito do município, Manoel de Jesus Silva, conhecido do Manoel Lázaro (PT).

No documento, adquirido com exclusividade pelo GP1, o advogado tenta convencer um vereador que é da base de Manoel Lázaro a votar pelo recebimento da denúncia na Câmara. O advogado explica que o recebimento da denúncia não resulta logo na cassação e fazendo isso, o vereador ganha mais “valor” em ambos os lados.

A lógica, para o advogado, era simples: ele convenceria a maioria dos vereadores de receber a denúncia na Câmara, já que seria preciso de maioria simples e na segunda parte do processo, após 90 dias, a cassação iria para o plenário e ele conseguiria barganhar o apoio de 2/3 dos vereadores.

Entenda

O jogo sujo se dava na tentativa de derrubar o prefeito e fazer com que o presidente do legislativo municipal chegasse ao poder. Assim, uma eleição na Câmara decidiria quem iria comandar a prefeitura, já que a vice-prefeita Luana Lages iria renunciar ao cargo.

Desse modo abrir-se-ia vaga para vice-prefeito e essa era a barganha. O advogado oferecia a vaga de vice-prefeito ao vereador, que tentado pela oferta, derrubaria o aliado.

Ouça áudio na íntegra:

Confira trechos dos áudios:

Advogado - Vereador e tudo, no dia que é recebido a denúncia, é constituído uma comissão de 3 vereadores e essa comissão que vai apurar né a denúncia, e a defesa, até concluir. Quando concluir, apurar a denúncia, apurar a defesa que ele trouxer tudo, aí vai marcar um dia pro julgamento, que vai ser o julgamento, que é a cassação ou não, tem que ser 2/3.

Vereador – Que é a votação né?

Advogado – Que é a votação, se tiver só 5 votos acabou, se tiver 6 votos cassa, se não tiver não cassa, certo. Ai eu tava pensando o seguinte, eu não sei como é que você tá lá, eu já falei com o Ronaldo [Lages], com os meninos tudinho [inaudível] tudo. A menina já disse, já falou comigo que caso seja cassado ela não assume ne, ela pede licença.

Vereador – A Luane?

Advogado – A Luane, ela pede licença. Ai o presidente da câmara é que assume entendeu?

Vereador – Que assume.

Advogado - E aí, o presidente da câmara assumindo como já tá no 3º ano, tem que ter uma eleição direta, certo.

Vereador – Aí tem que ter uma nova eleição né?

Advogado – Tem que ter uma nova eleição, pela Câmara só entendeu?

Vereador – Aí é pela Câmara né pelo povo não?

Advogado – Pela Câmara, por que nos últimos 2 anos tem que ser pela Câmara.

Vereador– Tô entendendo, eleição direta.

Advogado – Isso, eleição direta, tem que ter eleição direta pela Câmara. Então, qual era a proposta que eu tinha pra você, eu não sei como é seus compromissos lá, eu tinha uma proposta comigo e com o Júnior, meu negócio é com o [inaudível] e o Júnior, entendeu.

[...]

Advogado - Cassação é isso, por que só recebido a denúncia, ai vai formar a comissão dos 3, é sorteio. Ainda tem mais, não é escolhido a dedo, nem votada, é sorteio, a comissão ela é diferente. A comissão pode até dar um parecer contrário, ai depois vai pra plenário pra julgamento entendeu, por que é sorteio ai ninguém sabe o que vai cair. Então eu tava pensando o seguinte, se você quiser negociar a gente conversa, pra você só votar para o recebimento, por que que eu tô falando com os vereadores dessa forma. Porque quando receber a denúncia entendeu, votando pelo recebimento, o vereador tem como respaldo: não, só vamos receber pra investigar e tudo, ai o vereador fica com mais valor é lógico.

Vereador – Aham.

Advogado – Por que o valor dele vai ser lá nos 2/3.

Vereador – Eu sei.

Advogado –Nos 2/3, que é o período lá da cassação, o processo vai tramitar como se fosse na Justiça. Você sabe como é lá no Congresso né? O processo vai tramitar, vai ser recebido, vai aprovar o recebimento, aprovou recebeu. Se não aprovar o recebimento acabou, mas lá vai ser aprovado. Aprovou o recebimento ai vai entrar em tramitação, vai ser ouvido o prefeito e tatatata, ai mais tarde vai ter o julgamento. O dia do julgamento vai ser matéria de 2/3, que é cassar ou não cassar, certo?

Vereador – Aham

Advogado – Aí é que o frigir dos ovos. Entendeu, eu tava pensando, se você votar nessa agora no recebimento, já tem 5, 5 vão votar. Se você votar nessa agora, no meu modo de pensar, você terá um valor X entendeu, e terá o valor X na parte de cá, e na parte de lá você vai ficar o fiel à balança, entendeu?

Vereador – Tô entendendo, eu tô entendendo.

Advogado – Rapaz é o seguinte, ou nós briga com o [diz o nome do vereador], ou nós vamos valorizar mais o [repete o nome do vereador], uma das 2.

Vereador – É, uma das 2

Advogado – Uma das 2, e brigar é difícil, por que vão depender do voto.

Vereador – É, difícil, não briga não.

Advogado – Tá entendendo?

Vereador – Tô entendendo.

Advogado – Se tu não votar logo nessa na primeira, tu vai ficar sem valor por que eles já sabem que na segunda ninguém conta contigo, e eles já tem certeza que tu vai votar pra eles.

[...]

Advogado – E a gente pode negociar, eu não vou dizer, se o Júnior assumir, que você vai ser candidato a prefeito que eu vou lhe ajudar a apoiar não, agora difícil assim, por que lógico, ele foi o prefeito e tá com a caneta na mão.

Vereador – É, lógico que ele quer ser candidato

Advogado – Ele quer ser candidato, aií nem adianta...

Vereador – É verdade

Advogado – Agora de vice agente negocia!

NOTÍCIA RELACIONADA

Câmara aceita denúncia de cassação do prefeito Manoel Lázaro

Mais conteúdo sobre:
Voltar para a home

Todo conteúdo, imagem e/ou opiniões constantes aqui neste espaço são de responsabilidade civil e penal exclusiva do colunista. O material aqui divulgado não mantém qualquer relação com a opinião editorial do GP1.

Sobre o autor

Herbert Sousa é jornalista. Contato: (86) 9 8806-8907 / (86) 9 9436-9811