Greco suspeita de apoio de políticos a chefe de quadrilha do Baixo Parnaíba

- atualizado

O serviço de inteligência da Polícia Civil investiga informe recebido segundo o qual Haroldo Pereira de Araújo, o chefão criminoso que está apavorando há anos o Baixo Parnaíba, tinha o apoio de pelo menos dois políticos municipais da região e de um fazendeiro.

A informação está sob rigoroso sigilo e essa linha de investigação é restrita ao Grupo de Combate ao Crime Organizado (Greco), segundo fonte altamente credenciada da Polícia Civil.

Nas últimas horas foram feitos levantamentos em torno de algumas chácaras e fazendas no Baixo Parnaíba que poderiam "coitar" (esconder) Haroldo, bandido que praticamente todo chefe de família da região interiorana já ouviu falar.

EXCLUSIVAS

O porre de Ibaneis

  • Foto: Fátima Meira/Futura Press/Estadão ConteúdoIbaneisIbaneis

Em Brasília não se fala de outra coisa: o filho de piauienses Ibaneis Rocha, que vai receber título de cidadão piauiense, tomou um homérico porre a partir do aeroporto de Brasília e infernizou a vida dos passageiros da classe executiva num voo para Portugal.

Advertência e constrangimento

Ibaneis, que depois de ganhar a eleição veio ao Piauí e fez uma carreata em Corrente, no extremo Sul do Estado, seu berço, foi advertido pela tripulação do voo, causando constrangimento a assessores que tiveram de recolher restos de petiscos que ele havia jogado no piso.

Voo 58

Na noite do último domingo, dia 21 de abril, Ibaneis estava no voo 58 da companhia Linhas Aéreas Portuguesas (TAP), no trajeto Brasília/Lisboa. Luiz Alberto Adms, ex-advogado-geral da União estava duas poltronas à frente de Ibanes e fez de conta que estava dormindo, constrangido com a advertência recebida pelo governador.

Porre na sala vip

O porre de Ibaneis começou na sala vip do aeroporto JK, em Brasília, quando ele exigiu ser servido com garrafas exclusivas de vinho, derrubando a tradição de que a bebida deve ser servida de maneira coletiva e com moderação.

Assessores humilhados

Mesmo depois da advertência do chefe dos comissários de bordo o governador do Distrito Federal continuou abusando, voltando a jogar restos de comida no chão do avião. Um dos quatro assessores que o governador escalou para acompanhá-lo tentou pedir moderação, mas recebeu um pito e a missão de providenciar mais bebida.

Georgiano rápido e certeiro

  • Foto: Lucas Dias/GP1Georgiano NetoGeorgiano Neto

Candidato a prefeito de Teresina, o jovem deputado estadual Georgiano Neto, disparado o mais votado do estado foi rápido e certeiro ao desmentir qualquer aproximação política com o prefeito Firmino Filho.

De onde partiu?

Georgiano disse a amigos que sabe quem plantou a falsa informação de que, num encontro do prefeito com seu pai, Júlio Cesar, tinha ficado acertada uma aliança do PSD, seu partido, com Firmino para o pleito de 2020.

Mourão monitora discursos

  • Foto: Fábio Motta/Estadão ConteúdoHamilton MourãoHamilton Mourão

O general Hamilton Mourão, vice-presidente da República que receberá título de cidadão piauiense, hoje, em Teresina monitora discursos que serão feitos durante sua passagem pelo estado.

O que preocupa

Fonte altamente credenciada revelou para este repórter que preocupa eventuais comparações de estilos com o presidente Jair Bolsonaro, que poderiam gerar muitas especulações.

Oportunidade perdida

  • Foto: GP1Sérgio Bandeira Sérgio Bandeira

Um acordo não cumprido com lideranças por seu pai, Ricardo Bandeira, levou Sérgio Bandeira a ficar exatos quatro anos como primeiro suplente sem assumir um único dia uma cadeira de deputado estadual na Assembleia Legislativa do Estado.

Político carimbado

Em conversa com jornalistas e lideranças políticas nos corredores da Assembleia Legislativa, Sérgio Bandeira reconheceu que hoje é um político "carimbado como firminista". Se for comandar um partido e montar uma estratégia para eleição, todos sabem, segundo suas próprias palavras, que no final ficará com Firmino.

Voltar para a home

Todo conteúdo, imagem e/ou opiniões constantes aqui neste espaço são de responsabilidade civil e penal exclusiva do colunista. O material aqui divulgado não mantém qualquer relação com a opinião editorial do GP1.

Sobre o autor

Bacharel em Direito, Feitosa Costa é jornalista desde 1977 e escreve a Coluna Política & Bastidores. Contato: (86) 98162 1515 / 99987 8114