GP1

Coronavírus no Piauí

CRM critica decreto e diz que Prefeitura de Teresina está sendo negligente

"Salta aos olhos que os gestores municipais parecem negligenciar sua responsabilidade com a saúde da população teresinense", disse o CRM do Piauí em nota.

O Conselho Regional de Medicina do Piauí (CRM-PI) divulgou nota, no final da noite deste sábado (30), reagindo contra o decreto nº 20.556, de 29 de janeiro, da Prefeitura de Teresina que flexibilizou o funcionamento do comércio e autorizou música ao vivo em bares e restaurantes. Segundo a entidade, os gestores municipais estão sendo negligentes com a saúde da população.

Clique aqui e confira a nota na íntegra

Para a entidade, o decreto a ser seguido deve ser o do Governo do Estado, que diante do aumento dos casos de covid-19 no Piauí elaborou medidas mais severas para evitar o colapso nos hospitais piauienses.

"Salta aos olhos que os gestores municipais parecem negligenciar sua responsabilidade com a saúde da população teresinense, enxergando o triste cenário da pandemia em nossa capital sob uma ótica míope e indiferente", criticou.

Ainda em nota, o CRM-PI citou que o decreto da Prefeitura de Teresina já foi desautorizado pelo juiz Juiz Aderson Antonio Brito Nogueira, da 1ª Vara da Fazenda Pública de Teresina, que deferiu o recurso apresentado pelo Ministério Público do Estado do Piauí , por meio da 29ª Promotoria de Justiça de Teresina.

Na decisão, o magistrado proibiu a Prefeitura de Teresina de autorizar a realização de festas e eventos que promovam a aglomeração de pessoas, seja em ambientes abertos ou fechados. A decisão foi dada no último dia 27 de janeiro de 2021 e publicada neste sábado (30).

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.