GP1

Economia e Negócios

Peugeot e Fiat se fundem para formar a Stellantis

Fabricantes se unem oficialmente neste sábado, 16. A partir de segunda, 18, ações serão lançadas em bolsas de valores internacionais.
Por Estadão Conteúdo

Fabricantes de PSA (Peugeot-Citroen) e FCA (Fiat-Chrysler) se unem oficialmente neste sábado, 16, para formar a Stellantis, o quarto maior grupo automotivo do mundo. De agora em diante, o Fiat, Opel, Peugeot, Alfa Romeo, Chrysler, Dodge, Jeep e Maserati sairão das fábricas desta gigante.

A operação foi anunciada em outubro de 2019 e aprovada quase por unanimidade em 4 de janeiro, com 99,15% dos votos dos acionistas presentes na reunião da FCA e 99,95% das PSA's. Com esta união, a Stellantis é colocada em volume de vendas apenas atrás da alemã Volkswagen, da japonesa Toyota e da aliança franco-japonesa Renault-Nissan-Mitsubishi.

As 14 marcas do grupo representam cerca de 9% do mercado automotivo global, com oito milhões de veículos vendidos em 2019. "Teremos um papel de liderança, durante a próxima década, na redefinição da mobilidade, assim como nossos pais fundadores fizeram com muita energia", disse o presidente da FCA, John Elkann, referindo-se a uma "fusão histórica".

Na segunda-feira, 18, os líderes do novo grupo franco-ítalo-americano lançarão ações da Stellantis nas bolsas de valores de Milão e Paris, e na terça-feira, 19, na bolsa de valores de Nova York. Neste dia, o ex-Conselho de Administração da PSA e novo CEO da Stellantis, Carlos Tavares, apresentará, em sua primeira coletiva de imprensa, sua visão para o grupo de 400 mil funcionários. Nos próximos meses, ele revelará, também, seu plano estratégico.

O novo colosso terá inúmeros desafios pela frente, incluindo o processo de eletrificação das faixas, a tendência para veículos de segunda mão ou aluguel e a crise de saúde, que arrasta a fabricação e as vendas. Em 2020, as vendas globais da PSA (Peugeot, Citroen, DS, Opel, Vauxhall) caíram 27,8%.

Para Matthias Heck, da agência Moody's, a fusão é positiva porque os grupos "melhoram sua cobertura global, podem colaborar tecnologicamente e em vários segmentos e economizarão graças às sinergias e experiência da PSA, que foi capaz de definir o preço certo e gerenciar seus custos".

O governo francês, que inicialmente se opôs à união da Fiat com a Renault, acabou elogiando a criação da Stellantis, como o executivo italiano havia feito. Mas ambos os países estarão vigilantes de que o novo gigante "também contribui para o emprego industrial na Itália e na França", disse o ministro francês da Economia, Bruno Le Maire, e seu homólogo italiano, Stefano Patuanelli, no início de janeiro.

Para manter o controle, a Itália planeja entrar na capital da Stellantis. "Uma possível presença do Estado na capital social do novo grupo, semelhante à do governo francês, não pode e não deve ser um tabu", disse o vice-ministro italiano da Economia, Antonio Misiani, ao La Repubblica. O Estado francês tem uma participação de 6,2% na capital da Stellantis.

Para concretizar essa fusão, os dois grupos adaptaram o contrato para tornar a união equitativa. A FCA reduziu o montante de um dividendo excepcional para seus acionistas, de 5 bilhões para 2,9 bilhões de euros. A PSA se aposentou da fabricante de equipamentos Faurecia. Por parte dos sindicatos, a maioria aceitou a fusão, o que para muitos era inevitável. Mas eles garantiram que não baixam a guarda. "Nossa confiança no futuro será acompanhada ao longo do ano por uma vigilância sobre a adequação das políticas sociais e industriais", alertou Olivier Lefebvre, delegado sindical da PSA, em comunicado.

Somando os dados da FCA e da PSA de 2019 (sem contar sua subsidiária componente Faurecia), a Stellantis terá um lucro operacional ajustado de cerca de 12 bilhões de euros; uma margem operacional apertada de cerca de 7% e um fluxo de caixa livre operacional relacionado ao segmento automotivo de mais de 5 bilhões de euros.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.