Política

Aliados de Bolsonaro afirmam que situação no PSL é ‘insustentável’

Advogada atribui insatisfação do presidente e de deputados à falta de transparência e acesso às contas da sigla.

Por  Estadão Conteúdo
- atualizado

Aliados do presidente Jair Bolsonaro afirmaram nesta quarta-feira, 9, que a situação dele no PSL, partido pelo qual foi eleito, está “insustentável”. Ao sair de uma reunião com o presidente e deputados da bancada do partido, a advogada de Bolsonaro, Karina Kufa, atribuiu a insatisfação à falta de transparência interna por parte da direção do partido.

Também presente na reunião, o ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral, Admar Gonzaga, que tem atuado como um conselheiro do presidente, afirmou que Bolsonaro não está confortável no ambiente em que se encontra. O encontro foi pedido pelos parlamentares, que integram o grupo insatisfeito com o presidente da legenda, o também deputado Luciano Bivar (PE).

“Bolsonaro sempre levantou bandeira da ética e da transparência e exigia isso dos dirigentes do partido. Mas foi muito difícil entrar em um acordo quando um partido não está disposto a abrir simplesmente uma votação democrática, seja para alteração de estatuto, seja para eleição dos dirigentes. Ficou insustentável em razão desses motivos internos”, disse Karina.

A advogada também atribuiu a insatisfação de diversos deputados da bancada às dificuldades de acesso às contas da legenda. Ela negou que a disputa interna seja motivada pela disputa em torno do fundo partidário. “A briga é por um partido que seja ético, transparente, que não macule a imagem de nenhum dos parlamentares e do presidente”, disse.

Mesmo rachado, o partido terá na próxima campanha a maior fatia dos fundos públicos usados para financiar candidatos – estimada em R$ 400 milhões –, porque foi o mais votado na disputa de 2018, na esteira da eleição de Bolsonaro.

Questionada sobre se Bolsonaro pode deixar o partido de fato, Karina disse apenas que cabe ao presidente decidir. Por enquanto, segundo ela, só está sendo conversado entre os deputados sobre o futuro da legenda. Gonzaga também atribuiu o desgaste do presidente com o PSL à falta de clareza em relação ao uso dos recursos partidários.

“Como isso não foi permitido no ambiente em que se encontra, ele como tem a bandeira da nova política, da transparência com dinheiro público, ele não está confortável no ambiente onde se encontra”, disse.

Karina confirmou que deixou de atuar na defesa do partido, mas disse que continua como advogada de Bolsonaro. Ela, no entanto, negou que tenha sido demitida, até porque não tinha vínculo empregatício com o partido, mas um acordo contratual que foi rompido. No ano passado, ela assumiu a parte jurídica da sigla para cuidar da campanha de Bolsonaro. A advogada também é diretamente ligada a Eduardo Bolsonaro, filho do presidente e deputado pelo PSL.

Fundo partidário

Gonzaga contou que está em análise a estratégia que os deputados insatisfeitos poderão usar caso decidam sair do PSL para garantir a permanência no mandato. De acordo com ele, há uma jurisprudência no TSE que permite o uso do argumento de justa causa. Neste caso, para ele, poderia ser a da falta de transparência com o uso da verba do partido.

“Justa causa é quando há descumprimento do manifesto do partido reiterado, questões de ordem pessoal como perseguição pessoal, como retirar deputados de comissão, ameaça de expulsão, algum tipo de verborragia ou deselegância em meios sociais. Sobretudo, a justa causa você tem quando não se tem transparência com recursos do fundo partidário, que é entregue ao partido em face dos votos dedicados aos parlamentares pelos eleitores do Brasil”, disse.

Questionado sobre se as denúncias de que candidatas tenham sido usadas como laranjas nas eleições do ano passado poderiam motivar o pedido de justa causa, Gonzaga reiterou que o problema é "só a responsabilidade com o dinheiro público". "Essas outras questões acessórias serão analisadas pela justiça eleitoral", disse.

O deputado Filipe Barros (PSL-PR) afirmou que todos os parlamentares que estiveram na reunião hoje no Palácio do Planalto manifestaram apoio a Bolsonaro. “Estamos incondicionalmente com o presidente”, disse.

A expectativa é de que o grupo divulgue até o fim do dia uma nota sobre qual a decisão que será adotada. Questionada se o presidente sairia do PSL, Bia Kicis afirmou que não há ainda como definir o que vai acontecer. “Nada está certo ainda”, disse. “A gente prefere não falar, porque se mexer acaba atrapalhando”, completou. Não há, ainda, um cálculo sobre quantos integrantes do PSL acompanhariam o presidente numa eventual movimentação.

Mais conteúdo sobre: