Marcolândia - PI

APMP defende promotora Tallita Luzia após áudio do prefeito Chico Pitú

No áudio que tem sido atribuído a Chico Pitú, ele afirmou que vai mandar abrir bares e restaurantes, pois está “cansado de ser mandado” e que se a promotora “quiser fechar, vai ter que vir até aqui".

Bárbara Rodrigues
Teresina
- atualizado

A Associação Piauiense do Ministério Público (APMP) divulgou, no sábado (6), uma nota de apoio à promotora de justiça Tallita Luzia Bezerra Araújo, após divulgação de áudio que tem sido atribuído ao prefeito de Marcolândia, Francisco Pedro de Araújo, mais conhecido como Chico Pitú, onde ele critica e desafia a representante do Ministério Público.

No áudio que está circulando nas redes sociais, atribuído ao prefeito Chico Pitú, o gestor afirma que não irá cumprir a recomendação da promotora Tallita Bezerra, que pediu para o prefeito continuar com as medidas para diminuir a disseminação do novo coronavírus, o que consistiria na continuidade do fechamento do comércio.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Chico Pitú, Prefeito de  Marcolândia Chico Pitú, Prefeito de Marcolândia

No suposto áudio, ele afirma ainda que vai mandar abrir bares e restaurantes de Marcolândia, pois está “cansado de ser mandado” e que se a promotora “quiser fechar, vai ter que vir até aqui”.

Na nota, o presidente da Associação Piauiense do Ministério Público, o promotor Hugo de Sousa Cardoso, afirmou que os promotores estão trabalhando para o bem da população e destacou que não se pode colocar a vida das pessoas em risco em busca de populismo, devido à proximidade com a eleição.

“Quando a Dra. Tallita Luzia, em nome do Ministério Público, recomenda a autoridades municipais cautelas e providências de restrição social, o faz de forma legítima, corajosa e aguerrida, unicamente em defesa da vida da população de Marcolândia e região, buscando apenas a preservação da vida, pois havendo franca disseminação do Covid- 19, muitos serão os óbitos, mortes que poderão ser imputadas, em tese, àquelas autoridades negligentes e omissas que, mesmos cientes do risco iminente de contágio coletivo da população, optarem pelo populismo, pelo faz de conta eleitoreiro, apostando com a vida da população”, destacou.

Confira aqui a nota na íntegra:

A diretoria da Associação Piauiense do Ministério Público – APMP, entidade de classe representativa dos promotores e procuradores de Justiça do Estado do Piauí, vem a público, através do seu presidente, apresentar nota de defesa da promotora de Justiça Dra. TALLITA LUZIA BEZERRA ARAÚJO, frente aos recentes ataques de natureza política desferidos contra sua pessoa, difundidos em imprensa escrita e eletrônica.

Inicialmente oportuno frisar que compete ao Ministério Público, por seus agentes, dentre estes, a Dra. TALLITA LUZIA BEZERRA ARAÚJO, a missão constitucional de defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis em prol de toda Sociedade.

Na busca incessante de realização desta missão, infelizmente é comum o enfrentamento de forças obscuras, alheias ao devido e à Justiça, distantes daquilo que é necessário à concretização dos diversos direitos do povo, direitos garantidos na Constituição Federal como dever do Estado e Municípios.

A preservação da saúde da população é direito defendido pelo Ministério Público e, incansavelmente, pela Dra. TALLITA LUZIA, sendo dever do Estado e Municípios, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos.

Ora, é fato público e notório que o mundo, o Brasil e o Piauí enfrentam a pandemia decorrente do novo coronavírus – COVID-19, a pior da história da humanidade, com evidente risco de colapso do SUS – Sistemas Único de Saúde e com lamentável reflexo na economia, consequências estas ponderadas e enfrentadas através de diversos benefícios assistenciais disponibilizados pelo poder público.

Medidas sanitárias de natureza epidemiológica foram e estão vigentes em todo mundo, pelo que o isolamento social é veemente providência para fazer cessar a proliferação mortal do COVID-19, sendo medida recomendada pela OMS – Organização Mundial de Saúde não apenas ao Piauí, mas a todos os Países.

Quando a Dra. TALLITA LUZIA, em nome do Ministério Público, recomenda a autoridades municipais cautelas e providências de restrição social, o faz de forma legítima, corajosa e aguerrida, unicamente em defesa da vida da população de Marcolândia e região, buscando apenas a preservação da vida, pois havendo franca disseminação do COVID-19, muitos serão os óbitos, mortes que poderão ser imputadas, em tese, àquelas autoridades negligentes e omissas que, mesmos cientes do risco iminente de contágio coletivo da população, optarem pelo populismo, pelo faz de conta eleitoreiro, apostando com a vida da população.

A Dra. TALLITA LUZIA BEZERRA ARAÚJO é uma valorosa promotora de Justiça que não se amedrontará jamais com rompantes ou devaneios autoritários que atentem contra os diretos da Sociedade, pelo que merece total e irrestrito apoio desta entidade de classe ministerial.

Teresina-PI, 06 de Junho de 2020.

Hugo de Sousa Cardoso

Presidente da APMP

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Ministério Público diz que atua em conformidade com a lei em Marcolândia

Prefeito manda abrir comércio em Marcolândia: "cansei de ser manobrado"