Política

Augusto Aras diz que MPF ajudou a garantir segurança das eleições

Para o procurador-geral, trabalho de fiscalização de mais de 2,6 mil promotores reforça lisura do primeiro turno.

Por  Estadão Conteúdo

O procurador-geral Eleitoral, Augusto Aras, disse na noite deste domingo, 15, que o trabalho de fiscalização do Ministério Público Federal (MPF) ajudou a garantir a lisura do primeiro turno das eleições municipais. Ao todo, mais de 2,6 mil promotores trabalharam na operação.

“Nesta grande festa cívica, em que cada cidadão e eleitor escolhe o seu destino – ao eleger os representantes e políticas públicas que pretendem para sua comunidade – milhares de membros e servidores do MP Eleitoral se empenharam para garantir o resultado das urnas com a segurança jurídica de todo o processo eleitoral”, afirmou Aras a jornalistas após acompanhar a apuração dos votos.

Segundo dados da Procuradoria-Geral Eleitoral, cerca de 30 mil candidatos tiveram seus registros questionados pelo Ministério Público Eleitoral, partidos políticos e outros candidatos nas eleições municipais deste ano. O número corresponde a cerca de 5% do total de candidaturas formalizadas.

“Entre os motivos para impugnação de registros estão rejeição de contas, condenações criminais, faltas ético-profissionais graves, entre outras condições previstas na legislação eleitoral para que um candidato esteja inapto a concorrer às eleições”, informou o MPF.

Mais cedo, após a maioria de seus candidatos apadrinhados nas eleições municipais terem saído derrotados das urnas, o presidente Jair Bolsonaro colocou em xeque, mais uma vez, a confiabilidade do sistema eleitoral brasileiro. Para apoiadores, ele voltou a citar o uso do voto impresso ao justificar que é preciso um sistema que ‘não deixe dúvidas’ ou ‘margem para suposições’.

Em setembro, o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou a impressão dos votos registrados na urna por entender que a proposta viola o sigilo e a liberdade do voto. A medida teria um custo de R$ 2,5 bilhões aos cofres públicos ao longo de dez anos, segundo estimativas feitas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2017, após o Congresso aprovar, em 2015, um projeto que previa a impressão de um comprovante físico dos votos nas urnas eletrônicas.

Nas eleições deste ano, houve lentidão na apuração de votos logo após o fim do pleito causada por um ‘problema técnico’ em um dos processadores usados na apuração, segundo o presidente do TSE, Luís Roberto Barroso.

Apesar do problema, o ministro assegurou que a falha não impactou o resultado da eleição. “Os dados chegaram ao TSE totalmente íntegros, apenas o processo de somar os votos de mais de 400 mil seções eleitorais é que ficou lento, em razão do processador ter sofrido problemas técnicos”, afirmou na noite de ontem.“A ideia de que a demora possa trazer algum tipo de consequência não faz nenhum sentido, porque o resultado das eleições já saiu no momento em que a urna imprimiu o boletim”, completou.

Barroso também saiu em defesa da segurança do sistema de votação do País. Segundo ele, as urnas eletrônicas ‘eliminaram o risco de fraude eleitoral no Brasil’ e substituir o sistema de votação digital ‘seria mexer em um time que está ganhando’.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Aras abre apuração inicial sobre ação da Abin na Cúpula do Clima da ONU

Augusto Aras diz que é contra ações no STF sobre compra da vacina coronavac