Economia e Negócios

Bolsonaro diz que auxílio emergencial será prorrogado até dezembro

Segundo o presidente, benefício deve se um meio termo entre os R$ 200 defendidos pela equipe econômica e os atuais R$ 600.

Por  Estadão Conteúdo
- atualizado

Em visita ao Rio Grande do Norte, o presidente Jair Bolsonaro voltou a dizer, na tarde desta sexta-feira, 21, que o auxílio emergencial será prorrogado até dezembro deste ano, mas ressaltou que o benefício não pode ser definitivo. Como fez anteriormente, ele afirmou que as novas parcelas ainda não têm valores definidos.

Esta semana, Bolsonaro sinalizou que o valor deve ser um meio termo entre os R$ 200 defendidos pela equipe econômica e os atuais R$ 600 destinados a trabalhadores informais durante a pandemia do novo coronavírus. Nesta sexta, ressaltou que a população precisa começar a ter consciência de que, mesmo prorrogado, o benefício não será eterno.

"O auxílio emergencial foi bem vindo, mas ele custa R$ 50 bilhões por ano. Infelizmente, ele não pode ser definitivo, mas vamos continuar com ele, mesmo que com valores diferentes, até que a economia realmente possa pegar no nosso País", disse. "Vai até dezembro, só não sei qual vai ser o valor."

Bolsonaro fez acenos ao Congresso, ao mencionar a relevância que os parlamentares tiveram para o governo na votação na Câmara, na quinta-feira, 20, que manteve veto presidencial ao reajuste de servidores públicos até 2021.

"Logicamente, o Legislativo não é um corpo único, ali têm as várias correntes. Mas, entre as várias correntes, a maioria passou a marchar ao nosso lado", disse. Ele ressaltou que os congressistas foram "muito valorosos" ao trabalhar pela manutenção do veto que, na visão dele, iria "complicar o Brasil na questão econômica". O presidente chamou os votos favoráveis ao governo de "corajosos".

Mais cedo, em Mossoró, o presidente chamou os parlamentares de "sócios". "Com o time que nós temos, com os nossos sócios, no bom sentido, no Congresso Brasil, nós atingiremos os nossos objetivos", afirmou. Ele viajou acompanhado de ministros e lideranças do Centrão, como o presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI).

Na quinta, após forte investida, com os partidos do Centrão e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o governo conseguiu manter a proibição de reajuste de servidores públicos até 2021. O veto do presidente Jair Bolsonaro foi mantido por 316 votos a 165 votos.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Bolsonaro faz aceno ao Congresso e chama parlamentares de 'sócios'

Câmara mantém veto de Bolsonaro a reajustes de servidores públicos

Jair Bolsonaro sanciona projetos que auxiliam na liberação de crédito