Saúde

Covid-19: morre brasileiro que participava de testes da vacina de Oxford

Homem não resistiu a complicações da covid; Anvisa diz que comitê internacional de segurança recomendou que estudos continuem.

Por  Estadão Conteúdo

Um voluntário brasileiro da pesquisa da vacina contra a covid desenvolvida em parceria pela Universidade de Oxford em parceria com a farmacêutica AstraZeneca morreu por complicações da covid-19. Não se sabe ainda se o homem havia recebido, de fato, a vacina em testes ou o placebo.

A morte foi revelada pelo jornal O Globo e confirmada pelo Estadão com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O órgão diz ter sido comunicado sobre o falecimento na terça-feira, 19. "Foram compartilhados com a agência os dados referentes à investigação realizada pelo Comitê Internacional de Avaliação de Segurança", disse a agência, em nota.

De acordo com a Anvisa, esse grupo de especialistas recomendou o prosseguimento dos estudos e o caso está em avaliação na agência reguladora brasileira. "É importante ressaltar que, com base nos compromissos de confidencialidade ética previstos no protocolo, as agências reguladoras envolvidas recebem dados parciais referentes à investigação realizada por esse comitê, que sugeriu pelo prosseguimento do estudo. Assim, o processo permanece em avaliação", afirmou.

A reportagem procurou a AstraZeneca e a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), responsável por coordenar os testes clínicos da vacina no Brasil, para mais esclarecimentos, mas ainda não recebeu resposta.

A vacina de Oxford está sendo testada no Brasil desde junho. A estimativa é que 10 mil voluntários brasileiros sejam incluídos no braço nacional do ensaio clínico. Metade deles tomará duas doses da vacina em testes e a outra metade receberá placebo.

A Anvisa informou que, "segundo regulamentos nacionais e internacionais de Boas Práticas Clínicas, os dados sobre voluntários de pesquisas clínicas devem ser mantidos em sigilo, em conformidade com princípios de confidencialidade, dignidade humana e proteção dos participantes" e disse estar "comprometida a cumprir esses regulamentos, de forma a assegurar a privacidade dos voluntários e também a confiabilidade do país para a execução de estudos de tamanha relevância".

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Covid-19: Anvisa inicia revisão para registro da vacina de Oxford

Testes da vacina de Oxford nos EUA podem ser retomados esta semana

Anvisa autoriza inclusão de mais voluntários da vacina de Oxford no Brasil