Teresina - PI

Gerente do banco Itaú é feito refém por bandidos em Teresina

Ele foi obrigado a realizar um saque, enquanto seus familiares ficaram em poder dos assaltantes, em cárcere privado.

Brunno Suênio
Teresina
- atualizado

O gerente da agência do banco Itaú, localizada na Rua Álvaro Mendes, no centro de Teresina, viveu momentos de tensão ao ser feito refém por bandidos que o levaram até sua residência e o mantiveram em cárcere privado, juntamente com seus familiares no final da tarde dessa quinta-feira (17). A ação se desencadeou até a manhã de hoje, quando o gerente conseguiu efetuar um saque e entregou o dinheiro aos bandidos, que libertaram os familiares logo em seguida.

De acordo com o delegado geral da Polícia Civil do Piauí, Luccy Keiko, a modalidade do crime é conhecida como “sapatinho”. Os bandidos monitoram o gerente da agência bancária e sem fazer alarde ou levantar suspeitas, conseguem subtrair quantias vultosas, geralmente mantendo o funcionário do banco e seus familiares em cárcere privado por um pequeno espaço de tempo.

  • Foto: Cinara Taumaturgo/GP1Entrevista com o Delegado Luccy KeikoEntrevista com o delegado Luccy Keiko

O gerente foi rendido no final da tarde de ontem e encaminhado até em casa, na zona sul da Capital, onde ficou com a família, que posteriormente foi levada para outro ponto da cidade durante a madrugada, para que o gerente continuasse executando as ordens da quadrilha. Já nesta manhã, o gerente se dirigiu até a agência, onde sacou um valor não informado do banco e, somente assim, a família do gerente foi liberada pelo resto da quadrilha.

O delegado Luccy Keiko informou que o Grupo de Repressão ao Crime Organizado já está investigando o caso e deverá identificar e prender os envolvidos. “O Greco já está diligenciando, inclusive, já temos algumas informações acerca da autoria desse crime, que podem nos ajudar a revelar como se deu esse fato, mas o importante é que a família está bem e agora a polícia vai trabalhar para prender esses indivíduos”, pontuou.

O coordenador do Greco, delegado Tales Gomes, não repassou mais detalhes da investigação para não atrapalhar as diligências.

Mais conteúdo sobre: